Juiz nega pedido da Defensoria para fechamento do comércio em Goiânia

Magistrado concedeu prazo de 48 horas para oitiva do Poder Público municipal, e eventuais interessados, preservando o interesse coletivo e a não surpresa aos comerciantes e prestadores de serviços, beneficiados pelo último decreto municipal

Tribunal de Justiça de Goiás | Foto: Divulgação

A Justiça negou o pedido da Defensoria Pública do Estado de Goiás (DPE-GO) para que o comércio fosse fechado por sete dias diante da ocupação de 98% dos leitos de Goiânia.

O pedido, protocolado no domingo, 28, visava suspender os efeitos dos três últimos decretos municipais que flexibilizaram as atividades produtivas em Goiânia.

Na decisão, o juiz Fernando Moreira Gonçalves, disse que o pedido de fechamento do comércio e serviços, apresentado no plantão, mostra-se inadequado.

O magistrado concedeu prazo de 48 horas para oitiva do Poder Público municipal, e eventuais interessados, preservando o interesse coletivo e a não surpresa aos comerciantes e prestadores de serviços, beneficiados pelo último decreto municipal. Disse que caberá ao titular da Fazenda Pública Municipal a condução do feito, que poderá, caso assim entenda, reavaliar a decisão.

O juiz ressaltou que, conforme já decidido pelo Supremo Tribunal Federal (STF), cabe aos municípios decidir sobre o relaxamento ou endurecimento das medidas de contenção da pandemia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.