Jovem é assassinado ao sair de bar no Setor Marista

Gabriel Caldeira, de 19 anos, saía de um bar na Rua 1.135, na noite de domingo (3/4), quando foi atingido por tiros na região do abdômen, informaram os bombeiros

Polícia Civil ainda não soube informar qual o delegado ficará responsável pela investigação do caso Gabriel | Foto: Reprodução/Facebook

Polícia Civil ainda não soube informar qual o delegado ficará responsável pela investigação do caso Gabriel | Foto: Reprodução/Facebook

Gabriel Caldeira, de 19 anos, morreu na manhã desta segunda-feira (4/4) após levar tiros na região do abdômen. De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, o jovem, que era estudante de Administração, saía de um bar na noite de domingo (3/4) localizado na Rua 1.135, no Setor Marista.

O rapaz chegou a ser socorrido e levado ao Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), mas teria perdido muito sangue, não resistiu aos ferimentos e morreu. O velório de Gabriel foi inciado às 19 horas na sala 5 do Cemitério Parque Memorial de Goiânia, no quilômetro 8 da GO-020.

O crime, que aconteceu no final da noite de domingo, teria ocorrido próximo ao Tabú Cervejas Especiais, que funcionava pela última vez naquele dia no atual endereço. O caso será investigado pela delegada Ana Cláudia Rodrigues Stoffel, da Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH).

A equipe clínica do Hugo informou que o jovem foi submetido a cirurgias e recebeu todo o atendimento médico, mas não foi possível evitar a sua morte pela gravidade dos ferimentos.

Em um áudio que tem sido compartilhado pelo aplicativo WhatsApp, um suposto amigo de Gabriel fala, de forma emocionada, sobre como o crime teria acontecido. Segundo o conteúdo da gravação, um Toyota Corolla com dois homens e quatro mulheres teria passado por eles, quando Gabriel teria perguntado o que estava acontecendo.

Nesse momento, de acordo com o áudio, um dos rapazes no carro teria sacado uma arma e disparado três vezes contra a vítima. “Um desses tiro acertou o Caldeira no quadril”, diz a pessoa na gravação do WhatsApp.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.