Joesley Batista diz que Marconi “nunca fez um nada” para JBS em Goiás

Em delação premiada, diretor da empresa nega favorecimento por parte do governo do estado

Ricardo Saud | Foto: reprodução

O  diretor de Relações Institucionais da JBS, Ricardo Saud, revelou, durante acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF), que o Grupo JBS não recebeu nenhum tipo de favorecimento por parte do governo de Goiás, nem do governador Marconi Perillo (PSDB).

Em vídeo que circula pelas redes sociais, o executivo afirma que o presidente da J&F (holding que controla a JBS), Joesley Batista, reclamou do tucano por não ter cedido a pressões. “Cansei de dar dinheiro pro Marconi Perillo e ele nunca fez um nada para mim no estado de Goiás”, teria dito o magnata da carne ao auxiliar.

Segundo a Justiça Eleitoral, o grupo fez doações às campanhas do então governador Alcides Rodrigues (hoje no PSB) à reeleição, em 2006, e do então senador Marconi Perillo para o Palácio das Esmeraldas, em 2010.

Em 2014, a JBS não fez doação à campanha do PSDB em Goiás porque Júnior Friboi, irmão de Joesley e ex-sócio da empresa, estava filiado ao PMDB — que disputou o governo com Iris Rezende, derrotado em segundo turno.

No entanto, durante a delação, Ricardo Saud revelou montantes milionários em propina para campanhas do PT em todo o Brasil — incluindo Goiás, destinada ao então candidato ao governo Antonio Gomide (ele nega).

O diretor também afirmou que o PT usou dinheiro de propina dada pela empresa para “comprar” o PMDB nas eleições de 2014. “Eles [PT] compraram o PMDB e faziam o que queriam com o PMDB. O PMDB pegava o dinheiro e gastava também do jeito que queria”, revelou.

Deixe um comentário