JBS pode ter causado prejuízo de R$ 848 milhões ao BNDES

Reportagem da Folha de S. Paulo revela que TCU está investigando operações feitas entre 2007 e 2009

A Folha de S. Paulo publica, na edição desta segunda-feira (30/11), que o Tribunal de Contas da União (TCU) teria encontrado indícios de que o apoio do Banco Nacional do Desenvolvimento Social (BNDES) ao frigorífico goiano JBS pode ter resultado em um prejuízo de R$ 847,7 milhões ao banco estatal.

Segundo apurou a reportagem, entre 2006 e 2014, a JBS recebeu R$ 8,1 bilhões para comprar companhias no exterior e se tornar “uma gigante” no setor de carnes. Em troca, o banco teria se tornado sócio da empresa.

A investigação do TCU apura três operações feitas entre 2007 e 2009 no valor de R$ 5,6 bilhões, que teriam resultado em montantes pagos pelo BNDES desnecessariamente. Em julho de 2007, por exemplo, a JBS adquiriu, com auxílio do BNDES, a Swift Food ao total de R$ 1,137 bilhão. Segundo informações da Folha, neste caso, o banco comprou ações da empresa com ágio de R$ 0,50 por ação — índice que seria muito acima da média de mercado. Sendo assim, houve prejuízo de R$ 69,7 milhões.

Em 2008 e 2009, dois outros casos semelhantes teriam ocorrido. Dessa forma, o TCU teria concluído que não há evidências de aumento consistente das exportações ou de empregos gerados no Brasil e, por isso, houve um “desvio” da função do BNDES.

O BNDES e a JBS afirmaram, à Folha, que as transações sob suspeita do TCU já renderam ao banco estatal mais de R$ 5 bilhões em lucro e fez os postos de trabalho na companhia saltarem de 20 mil para 120 mil entre 2006 e 2014, período dos aportes do banco no frigorífico.

Uma resposta para “JBS pode ter causado prejuízo de R$ 848 milhões ao BNDES”

  1. Avatar Epaminondas disse:

    Eles só não contam que parte dos postos de trabalhos são em outros países.

    Pelo jeito, assistiremos uma “Pasadena” versão churrascaria no futuro. Obrigado, PT, por Pasadena, Eike Batista e pela Friboi, a única marca de picanha no mercado com 3kg.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.