Empresa goiana é suspeita de pagamento de propina para obter recursos do FGTS

A JBS Friboi é alvo de uma nova etapa da Operação Lava Jato, deflagrada na manhã desta sexta-feira (1º/7). A Polícia Federal cumpre mandados em São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco e Brasília.

Segundo informa a Folha de S. Paulo, a empresa goiana é uma das investigadas na ação, que foi autorizada pelo ministro Teori Zavaski, do Supremo Tribunal Federal, a partir da delação do ex-vice-presidente da Caixa Econômica Federal Fábio Cleto.

A suspeita é de que a JBS Friboi tenha pago propina, por meio de um corretor aliado ao deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Lúcio Bolonha Funaro, que também foi preso na operação, para obter recursos do fundo de investimentos do FGTS, liberados por influência de Cleto.

Ainda de acordo com a reportagem, Fábio Cleto afirmou em delação premiada que havia um esquema de pagamentos de propina para liberação de recursos do Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS) — fundo governamental ligado ao Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES).