“Jamais fiz qualquer coisa que violasse qualquer regra legal”, diz José Eliton

Ex-governador assumiu depósito na conta do empresário Carlos, sócio da Sanefer, mas para compra de gado

Foto: Francisco Costa / Jornal Opção

O ex-governador de Goiás, José Eliton (PSDB), deu uma coletiva de imprensa na noite desta sexta-feira, 29, após prestar depoimento na Polícia Federal sobre a Operação Decantação. À imprensa ele garantiu que jamais fez qualquer coisa que violasse regras legais.

“Fui com tranquilidade prestar os esclarecimentos devidos e respondi a todas as perguntas, muitas das quais eu não tinha conhecimento”, disse. Eliton disse, ainda, que os supostos depósitos realizados pela Secretaria de Segurança Pública (SSP), enquanto era o titular, para a Sanefer, nunca foram feitos.

“Jamais me reuni com quem quer que seja para tratar desse fato e disse que a sistemática de pagamento do governo do Estado não permite tal situação, na medida em que pagamentos de concessionárias e demais áreas de governo são definidas pela área fazendária, não pelas secretarias especificas do governo”, explicou.

Sobre as viagens em aviões da empresa Sanefer, Eliton disse que todos os voos foram registrados. “Fizemos contratos de prestação de serviços, registrados há anos inclusive na Justiça Eleitoral, alguns particulares foram feitos em nível de carona e esclarecemos ponto a ponto cada voo com seus respectivos registros, não deixando margem de dúvida sobre essa situação”, disse.

El também disse que esclareceu um depósito feito por ele conta de Carlos Eduardo, sócio da Sanefer. “Foi feita uma transferência bancária oriunda de um financiamento rural, que fiz em 2015. “Juntei cópia da minha declaração de renda, cópia da GTA, que comprova que fiz aquisição de 45 bezerros machos e 54 fêmeas, totalizando 99, no valor total de R$ 101, 7 mil, que eu paguei e está devidamente registrado e entregue à policia”, esclareceu.

Por fim, Eliton disse que tem idoneidade em toda essa investigação. “Assumi a SSP em 2016 e seria impossível minha atuação nas campanhas de 2008, 2010. Em 2008 eu sequer político era, sequer exercia mandato eletivo. Jamais fiz quais quer coisa que violasse qualquer regra legal”, encerrou.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Alessandro

O inciso LXIII, artigo 5º da Constituição Federal, se analisado exegeticamente, constitui o direito do preso de permanecer em silêncio, mas o âmbito de abrangência desta norma é bem maior que esse, tendo em vista que a maior parte dos doutrinadores a considera como a máxima que diz que ninguém será obrigado a produzir prova contra si mesmo (pelo uso do principio da interpretação efetiva); então esse não é um direito só quem estiver preso, mas antes toda pessoa que estiver sendo acusada. O direito ao silêncio é apenas a manifestação da garantia muito maior, que é a do direito… Leia mais