Iris Rezende diz que Marconi Perillo “prostituiu” o transporte coletivo de Goiânia

“Isso que está ai se deve a ele. (…) Tudo por interesse de me esmagar e não deixar prosperar meu projeto, que já havia investido”, disparou o prefeito ao comentar problema crônico de mobilidade urbana enfrentado pela capital ao longo dos anos

Foto: Divulgação

O prefeito Iris Rezende promoveu um encontro com a imprensa para comentar os resultados atingidos ao longo dos últimos quatro anos de uma gestão que marca o encerramento de sua vida pública.

Durante a reunião, o prefeito comentou diversos assuntos, dentre eles, um problema crônico enfrentado pelos goianienses: o transporte coletivo. Iris rememorou sua época de estudante onde dependia diretamente do serviço para se deslocar pela cidade.

Reconheceu que muitos anos se passaram, que a cidade mudou, mas não hesitou em diagnosticar a razão do agravamento do problema: as ações adotadas pelo ex-governador Marconi Perillo (PSDB).

“Quando fui eleito prefeito, de imediato, compramos duzentos ônibus, todos expostos lá na Praça Universitária, mas quem tinha sido eleito governador entendeu diferente: convocou os prefeitos da região metropolitana, entendo que tentou conquistar esses prefeitos para me esmagar pois era meu adversário, e cria esse sistema de transporte”, disse.

E completou: “Enfiei a viola no saco. Eu ia ficar brigando com ele, governador, se estava começando? Isso que está aí se deve a ele governador que prostituiu o sistema do transporte de Goiânia, tudo por interesse de me esmagar e não deixar prosperar meu projeto, que já havia investido”.

Segundo o emedebista esse será um dos principais desafios para as próximas gestões, tanto municipais quanto estaduais. “Essa questão não é brincadeira. A deficiência do transporte público é que está entupindo nossas ruas de automóveis. Talvez metade dos que estão nos carros estariam nos ônibus se estes fossem bons. Espero que o nosso governador assuma esse problema causado por seu antecessor”. finalizou.

 Sobre as afirmações proferidas nesta sexta-feira (18) pelo prefeito de Goiânia, Iris Rezende, tenho a declarar:

– Se o prefeito entende que há prostituição no sistema de transporte público de Goiânia, a culpa é absolutamente dele, gestor dos contratos EM TRÊS MANDATOS RECENTES à frente da prefeitura de Goiânia.

 – Iris Rezende precisa assumir que foi omisso, como de fato foi, na gestão do transporte coletivo de Goiânia. Afinal, quando assume, como o fez hoje, que se “afastou” da discussão acerca da solução para o sistema do transporte público, Iris faz uma confissão de culpa em relação à omissão dele para um problema que aflige os goianienses há décadas.

– Iris Resende encerra sua carreira política da forma que a iniciou. Enganando, iludindo, traindo e fugindo de suas responsabilidades. Não assume os erros e equívocos de suas gestões. Agora no final de sua carreira ainda tenta se apropriar de obras que não realizou.

 – Iris manteve ao longo de sua carreira uma relação próxima, muito próxima aliás, com os empresários do transporte coletivo em Goiás. Na eleição para a prefeitura em 2004 em mais um de seus rompantes, desconectados com a realidade, prometeu resolver a situação do transporte coletivo em 6 meses. Depois de 16 anos dessa promessa irresponsável, ele agora tenta atribuir a mim a responsabilidade de seu fracasso em não resolver a situação de nosso transporte em seis meses. Não resolveu em seis meses e nem em 16 anos.

Durante meus governos toda vez em que Iris me procurou sempre teceu elogios as minhas gestões e nunca criticou a integração do transporte coletivo da capital, aliás ação adotada pela grande maioria de nossas capitais.

Iris assumiu por algumas vezes a presidência da CMTC e lá tinha todos os instrumentos para melhorar nosso sistema. Não o fez porque sempre esteve ao lado dos empresários que detinham a concessão desses serviços. Em meus governos, mesmo não sendo responsabilidade do Estado, apoiei e ajudei a financiar o transporte coletivo de nossa capital, com a concessão do passe livre estudantil, meia passagem no eixo Anhanguera, subsídios para a região metropolitana, entre outras medidas. E Iris sempre ressaltou nossa parceria.

Em relação a absurda afirmação de que foi ele que asfaltou todo Estado não precisarei me alongar muito sobre o assunto, pois os números os desmentem com muita clareza. Hoje Goiás tem 11.600 kms de rodovias pavimentadas.

O governador Marconi Perillo concedeu a seguinte resposta

 Sobre as afirmações proferidas nesta sexta-feira (18) pelo prefeito de Goiânia, Iris Rezende, tenho a declarar:

– Se o prefeito entende que há prostituição no sistema de transporte público de Goiânia, a culpa é absolutamente dele, gestor dos contratos EM TRÊS MANDATOS RECENTES à frente da prefeitura de Goiânia.

– Iris Rezende precisa assumir que foi omisso, como de fato foi, na gestão do transporte coletivo de Goiânia. Afinal, quando assume, como o fez hoje, que se “afastou” da discussão acerca da solução para o sistema do transporte público, Iris faz uma confissão de culpa em relação à omissão dele para um problema que aflige os goianienses há décadas.

– Iris Resende encerra sua carreira política da forma que a iniciou. Enganando, iludindo, traindo e fugindo de suas responsabilidades. Não assume os erros e equívocos de suas gestões. Agora no final de sua carreira ainda tenta se apropriar de obras que não realizou.

– Iris manteve ao longo de sua carreira uma relação próxima, muito próxima aliás, com os empresários do transporte coletivo em Goiás. Na eleição para a prefeitura em 2004 em mais um de seus rompantes, desconectados com a realidade, prometeu resolver a situação do transporte coletivo em 6 meses. Depois de 16 anos dessa promessa irresponsável, ele agora tenta atribuir a mim a responsabilidade de seu fracasso em não resolver a situação de nosso transporte em seis meses. Não resolveu em seis meses e nem em 16 anos.

Durante meus governos toda vez em que Iris me procurou sempre teceu elogios as minhas gestões e nunca criticou a integração do transporte coletivo da capital, aliás ação adotada pela grande maioria de nossas capitais.

Iris assumiu por algumas vezes a presidência da CMTC e lá tinha todos os instrumentos para melhorar nosso sistema. Não o fez porque sempre esteve ao lado dos empresários que detinham a concessão desses serviços. Em meus governos, mesmo não sendo responsabilidade do Estado, apoiei e ajudei a financiar o transporte coletivo de nossa capital, com a concessão do passe livre estudantil, meia passagem no eixo Anhanguera, subsídios para a região metropolitana, entre outras medidas. E Iris sempre ressaltou nossa parceria.

Em relação a absurda afirmação de que foi ele que asfaltou todo Estado não precisarei me alongar muito sobre o assunto, pois os números os desmentem com muita clareza. Hoje Goiás tem 11.600 kms de rodovias pavimentadas.

Quando Iris assumiu o governo em 1983 o Estado tinha 3.600 kms de rodovias asfaltadas, ele pavimentou 3.400 kms de rodovias e eu, em meus governos, asfaltei 4.500 kms.

Quando assumi o governo Goiás tinha 18 kms de rodovias estaduais duplicadas. Em nossos governos, duplicamos 320 kms de rodovias, a maioria com iluminação. Hoje Goiás tem 338 kms de estradas duplicadas. As estradas construídas por Iris em sua grande maioria não possuem acostamentos, como é o caso de Bela Vista a Catalão, e outras tantas. Iris, na realidade, pavimentou 30% de nossas estradas, eu,39%, e os demais governos, 31%.

Dessa forma não temos como acreditar no que Iris fala, pois suas colocações são desmentidas pelos fatos, números e a realidade. Aos 87 anos de idade quando promete pela enésima vez que está abandonando a política, Iris deveria ter um pouco mais de cuidado com os fatos, para que não seja desmentido por eles.

– Se a imprensa tem pressionado o prefeito em relação ao assunto, é porque, mesmo com três mandatos recentes, a partir de 2005, Iris não tomou providências legais ou administrativas contra as empresas do transporte público, nem teve capacidade para estabelecer novas bases para os contratos.

– Importante reiterar que frases de efeito ditas à imprensa não irão apagar da história de Iris a promessa de melhorar o transporte público em seis meses e não conseguir cumprir o compromisso, mesmo após 10 anos de mandato.

– Jamais guiei meus atos administrativos com a motivação “esmagar” Iris. Muito pelo contrário. A intenção era impedir que os usuários andassem – esses sim, esmagados – em ônibus lotados. Sempre quando tivemos mandatos concomitantes, tive sempre as mãos estendidas para sua gestão à frente do Executivo municipal, com objetivo de melhorar o transporte público na Região Metropolitana de Goiânia e do Eixo Anhanguera. Em nossos governos buscamos formas para ajudar e facilitar a vida dos trabalhadores, que gastam de 2 a 4 horas por dia de seu precioso tempo, em transporte coletivo.

Marconi Ferreira Perillo Júnior

Ex Governador

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.