Inquérito conclui que PM da reserva matou a esposa e acusou o genro

Benedito Bento foi denunciado pelo Ministério Público e preso preventivamente no dia 04 de abril por feminicídio e fraude processual por incriminar outra pessoa

Após investigação, a Polícia Civil concluiu que o policial militar da reserva Benedito Bento é o suspeito de matar a esposa com golpes de faca, em Aparecida de Goiânia. Segundo informações, ele esfaqueou Antônia Kátia Andrade, de 47 anos, após uma briga e incriminou o genro, que havia sido preso injustamente.

O inquérito policial foi concluído nesta semana e enviado à justiça. O policial aposentando foi denunciado pelo Ministério Público e preso preventivamente no dia 04 de abril por feminicídio, com pena de 15 a 30 anos de reclusão, e por fraude processual por incriminar outra pessoa, que pode levar a até 2 anos de prisão. O genro, Wanderlei dos Anjos, foi solto nesta segunda-feira, 31.

O crime aconteceu no dia 14 janeiro deste ano, em uma chácara no Jardim Dom Bosco II. Na época, o marido da vítima disse à polícia que o autor era o genro dele, Wanderlei dos Anjos. Após matar a mulher, o homem ainda tentou socorrer a vítima e a levou até uma Unidade de Pronto Atendimento (Upa), mas ela não resistiu.

Segundo o delegado Hudson Benedetti, após meses de investigação, a Polícia Civil descobriu que o policial encenou o papel de viúvo. “O senhor Benedito Bento, após a morte da dona Kátia, lavou o veículo onde foi praticado o crime, o que nos trouxe uma certa desconfiança, uma vez que ele é policial militar da reserva e tinha plena consciência que a conduta adequada era apresentar o veículo para a perícia e não lavar”, disse o delegado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.