Hugo realiza primeira captação de coração do mês em Goiás

Doador de 38 anos possibilitou que pacientes no Distrito Federal e Pernambuco ganhassem coração, fígado e rins

Cirurgia de captação de coração | Foto: divulgação

O Hospital Estadual de Urgências de Goiás Dr. Valdemiro Cruz (Hugo) realizou na noite desta quarta-feira, 22, a primeira captação de coração do Estado no mês de setembro. Além do coração, foram captados fígado e rins.

Os órgãos foram doados pela família de um homem de 38 anos que foi vítima de um atropelamento. Ele deu entrada na unidade no dia 14 de setembro e teve morte encefálica decretada na noite de terça-feira, 21.

O coração, o fígado e um dos rins seguiram do centro cirúrgico do Hugo para pacientes do Distrito Federal. O outro rim foi para um receptor do Pernambuco. O processo foi conduzido pela Organização de Procura de Órgãos (OPO-Hugo) em parceria com a equipe multiprofissional da unidade.

Logística complexa

Um time de cirurgiões veio do Distrito Federal em um esquema logístico realizado pela Força Aérea Brasileira (FAB). A logística utilizada no transporte dos órgãos condiz com a complexidade do processo e a necessidade de uma coordenação que atendesse os procedimentos em tempo hábil para uma captação de coração.

A doação de coração é uma operação delicada que tem um período máximo para ser concluída. Depois da avaliação do órgão pela equipe médica responsável pelo transplante, é feito o clampeamento da aorta, quando a artéria é pinçada. A partir deste momento, o procedimento que começa na retirada do coração do corpo do doador e termina na conclusão da cirurgia de implante no receptor deve ser todo concluído em até quatro horas.

No caso dos rins, esse período pode chegar a até 36 horas sem causar comprometimento do órgão transplantado. Já para o fígado, o limite de horas entre a retirada do corpo do doador e o implante do receptor é de, no máximo, 12 horas.

De acordo com Marcus Jasson, médico captador de rins da Central Estadual de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos de Goiás, a relevância da captação de órgãos feita na noite de quinta-feira é muito importante “por se tratar de um doador e vários receptores”. 

A equipe realiza uma série de exames, avalia a viabilidade de concluir a retirada e o implante daquele órgão, antes de iniciar o processo de transplante. “Cada órgão tem a sua particularidade técnica e de viabilidade. A parte cardíaca tem prioridade pela necessidade de o coração ser retirado e implantado em um intervalo curto de horas. Depois fazemos a retirada da parte hepática (fígado). Em seguida, os rins”, detalha Jasson. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.