Homem que enganou amiga para obter financiamento bancário é condenado

Réu afirmava que mantinha relacionamento amoroso com a vítima, que teria contraído o empréstimo e lhe dado o dinheiro espontaneamente

A juíza Placidina Pires, da 10ª Vara Criminal da comarca de Goiânia, condenou Paulo Eduardo Resende pelo crime de estelionato, após ele de ter realizado financiamento em nome de uma amiga junto ao Banco BMG, mediante fraude.

Conforme denúncia do Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO), os dois eram amigos, mas estavam afastados por um tempo. Após anos sem contato, a vítima recebeu uma ligação de Paulo sobre um curso de capacitação (Projeto Ecológico) financiado pelo Banco Bradesco, que seria ministrado em São Paulo.

Ele pediu, então, que ela enviasse os dados pessoas, cópia de identidade e número da conta corrente para que ele fizesse a inscrição para ela. Na conta, seria depositado um dinheiro para custear o tramamento da mãe dele, supostamente doente.

No entanto, o dinheiro era fruto de um empréstimo que o homem havia contratado em nome da vítima, sem o seu conhecimento. Na acusação conta que a vítima apenas descobriu a frade no mês seguinte a realização do empréstimo, que foi contratado em 48 parcelas mensais, no valor de R$ 452,67, descontados da folha de pagamento da vítima. Para o empréstimo, ele falsificou a assinatura da mulher.

Em 2016, Paulo foi preso, mas afirmou que o empréstimo foi feito pela vítima espontaneamente quando eles tiveram um relacionamento amoroso.

A penas de 1 e 6 meses foi em regime aberto foi substituída por prestação de serviços à comunidade. Além disso, o acusado foi condenado a doar a quantia correspondente a 1 salário mínimo, em favor do Programa de Penas Pecuniárias, do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás.

O condenado não terá que reparar os danos causados já que a vítima já foi ressarcida dos prejuízos financeiros.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.