Hailê Pinheiro se diz envergonhado por ter citado queda de avião da Chapecoense

Saia justa é a segunda envolvendo o trágico acidente. Dirigente já havia dito que só um milagre faria Alan Ruschel jogar no Goiás

Hailê Pinheiro: destempero e vergonha | Foto: Divulgação

Dois dias depois de ser duramente criticado por causa de relacionar possíveis erros da arbitragem no jogo contra a Chapecoense ao trágico acidente aéreo que matou vários integrantes da equipe, o presidente do Conselho Deliberativo do Goiás, Hailê Pinheiro, decidiu pedir desculpas públicas. Por meio de nota divulgada na terça-feira, 22, o dirigente esmeraldino se disse arrependido. “Envergonhado venho pedir perdão a todos chapecoenses pela inflexão que fiz, em momento de irreflexão, a uma tragédia que se abateu sobre todos os desportistas brasileiros”, diz o texto.

A polêmica teve início logo após o empate em 2 a 2 com a Chapecoense, na Arena Condá, quando Hailê Pinheiro criticou a arbitragem. Em entrevista à Rádio Bandeirantes, o dirigente do Goiás disse: “Ajudar o Corinthians? Vá lá ainda, é o Corinthians… Ajudar a Chapecoense que está caindo pelas tabelas? Se o avião da Chapecoense caiu, o Goiás não foi culpado disso. Tem que acertar é com quem derrubou o avião, não fomos nós não”.

A declaração de Hailê foi criticada por dirigentes do time catarinense e por comentaristas esportivos de vários veículos de comunicação. Na segunda-feira, 21, a Chapecoense publicou uma carta aberta em que pediu uma retratação.

“Jamais nos debruçaríamos sobre o maior infortúnio da nossa história para ficarmos em posição de vítimas e, diante disso, conseguirmos qualquer tipo de vantagem. Nós respeitamos e honramos a nossa história. Nós respeitamos e honramos a memória de cada um dos que nos deixaram quando saíram em busca de um sonho. E é por isso e por eles que exigimos respeito e retratação”, diz a carta.

Na retratação, Hailê Pinheiro afirma que a Chapecoense não teve responsabilidade nos supostos erros da arbitragem e que seu destempero foi motivado uma “sucessão de fatos” que estariam causando “danos” ao clube goiano. “Renovando meu pedido de desculpas pelo injusto destempero de minha parte, espero que o lamentável episódio seja superado em benefício da fraternidade e solidariedade entre nossos clubes”, finalizou Hailê.

Curiosamente, um dos sobreviventes da tragédia com a Chapecoense, Alan Ruschel, atualmente integra o elenco do Goiás. Quando o lateral se apresentou, Hailê também fez um comentário polêmico. Perguntado sobre a expectativa sobre o desempenho do jogador, o dirigente disse: “Só se acontecer um milagre, acho muito difícil jogar aqui”.

Leia a carta na íntegra:

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.