Governo Federal cogita criar vale transporte para famílias de baixa renda

Primeira reunião extraordinária da instância aconteceu e contou com discussão sobre o custo que a criação deste programa traria e como subsidiá-lo

Para a criação do programa o Governo teria que desembolsar cerca de R$ 5 bilhões

Nessa quinta-feira, 9, o Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), realizou a primeira reunião extraordinária do Fórum Consultivo da Mobilidade Urbana para discutir, entre vários assuntos, a criação de um Vale Transporte Social para as famílias brasileiras de baixa renda.

Durante a reunião, várias questões foram levantadas, como a inexistência de ação orçamentária, pois a estimativa inicial é de que o programa de vale transporte social exija um orçamento de R$ 5 bilhões por ano.

De acordo com os dados da 4ª edição do boletim Desigualdade nas Metrópoles, que chegou ao resultado com base em informações da pesquisa Pnad Contínua, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2020 a 2021, o número de pessoas com renda considerada baixa no Brasil passou de 20, 2 milhões para 24, 5 milhões de habitantes. Ou seja, o programa teria que subsidiar todas essas pessoas.

O Auxílio Brasil, programa também criado pelo Governo Federal que substitui o Bolsa Família, tinha o objetivo de ajudar todas as 15,06 milhões de famílias em situação de extrema pobreza ou miséria, segundo dados do Cadastro Único (CadÚnico). Contudo, o Auxílio não conseguiu atender cerca de 558 mil famílias, além das pessoas atendidas reclamarem que não recebem o valor mensal prometido de R$ 400,00.

“A intenção desse Fórum é trabalhar em diferentes frentes e detalhar as ações para a melhoria do transporte público tanto na esfera federal, quanto estadual e municipal. A ideia é trazer para o debate todos os envolvidos e aperfeiçoar a participação do cidadão nessa discussão”, afirmou o diretor substituto do Departamento de Projetos de Mobilidade e Serviços Urbanos (Demob), Marcos Daniel.

A reunião extraordinária continua nesta sexta-feira, 10, com a segunda etapa. A previsão, é que o Fórum ainda discuta sobre propostas de programas emergenciais para o transporte público e debaterem o novo Marco Legal para o Transporte Público Coletivo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.