Governo de Goiás inaugura Residência Assistencial do Hospital de Dermatologia Sanitária

Obra contempla o acolhimento dos 20 pacientes moradores do HDS com apartamentos individuais totalmente mobiliados

O governador Marconi Perillo e o secretário de Estado da Saúde de Goiás, Leonardo Vilela, inauguram nesta terça-feira (16/1), às 10 horas, a Residência Assistencial voltada ao acolhimento dos 20 pacientes moradores do Hospital de Dermatologia Sanitária (HDS).

A obra também contempla apartamentos individuais, totalmente mobiliados, área de convivência e praça de banho de sol, com infraestrutura assistencial.

Logo após a inauguração, Marconi Perillo e Leonardo Vilela lançam a pedra fundamental do Hospital Estadual do Idoso Dr. Naby Salum. Esta unidade representa o ponto de partida para a transformação do HDS em um Complexo Hospitalar, unidade de referência no atendimento ao idoso, à saúde do homem e de assistência aos casos de complicações decorrentes da hanseníase.

Marconi Perillo destaca que as duas obras sintetizam a preocupação do Governo em proporcionar um atendimento mais humanizado e qualificado à população idosa, que tem crescido em todo o Estado.

“O Hospital Estadual do Idoso Naby Salum será uma unidade diferenciada, específica e ágil para a assistência integral a esta demanda da população. Ela representa a atenção do governo às pessoas anônimas que, por meio do seu trabalho, muito contribuíram para o Estado.”

O governador acentuou que a Residência Assistencial também está, de certa forma, relacionada ao atendimento ao idoso, tendo em vista que a maioria dos ex-internos da antiga Colônia Santa Marta tem mais de 60 anos.

As transformações no HDS não se limitam à estrutura física. A unidade também vem passando por mudanças no atendimento oferecido á sociedade pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e no cuidado à atenção aos idosos residentes no local. Desde 2013, o HDS é administrado pela Associação Goiana de Integralização e Reabilitação (AGIR), organização social que tem uma parceria de gestão compartilhada com a Secretaria de Estado da Saúde de Goiás.

O HDS, de seu passado de isolamento de pacientes com hanseníase, pouco restou. Mas a sua história e o compromisso com os pacientes moradores do local, bem como com os ex-internos da Colônia Santa Marta residentes nos bairros vizinhos, têm sido resgatados dia após dia além de aprimorados os serviços oferecidos para a população, com os recentes investimentos promovidos.

Residência Assistencial

A Residência Assistencial é uma Instituição de acolhimento de longa permanência composta por apartamentos individuais com 18,17 metros quadrados, além de 183,28 metros quadrados de praça de banho de sol e 353,58 metros quadrados de área de convivência, atingindo o total de 1.323,66 metros quadrados de área construída. A obra teve investimento de R$ 5.598.253 milhões.

A obra conta com instalações acessíveis e climatizadas, monitoradas 24 horas. Trata-se de um resgate do Governo do Estado aos pacientes com dependências físicas e emocionais decorrentes de sequelas da hanseníase e do isolamento social. Dentre os principais serviços oferecidos aos residentes estão posto de enfermagem, farmácia, consultório, refeitório e lavanderia terapêutica.

De dezembro de 2013, data em que o HDS passou a ser administrado pela AGIR, até dezembro de 2017, a unidade já realizou um total de 1.565.315 procedimentos (consultas, exames, atendimentos de enfermagem, odontologia, nutrição e multiprofissional).

Atualmente o hospital acolhe 20 pacientes, em sua maioria com alto grau de dependência que, por não terem sido inseridos na sociedade, contam exclusivamente com a tutela do Estado para viver. Antes da residência assistencial, os mesmos moravam em pavilhões precários, cuja área será destinada à construção do Hospital.

Hospital Estadual do Idoso Dr. Naby Salum

O complexo hospitalar será edificado em um terreno com área total de 84.157,02 metros quadrados e 36.066,47 metros quadrados de área a ser construída. A construção que se iniciou com a residência assistencial de longa permanência contemplará também o hospital do idoso e a clínica do homem, que deve atender a população maior de 60 anos ou, mais especificamente, considerados idosos frágeis, com necessidades de atenção ambulatorial ou internação hospitalar para cuidados médicos especializados, desafogando a rede de Urgência e Emergência do Estado e hospitais de reabilitação.

O complexo deve atender ainda a população masculina de 20 a 59 anos com doenças crônicas ou com características peculiares que demandem cuidados específicos além de pessoas com complicações decorrentes da hanseníase.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.