Governadores tucanos devem se reunir antes do encontro com Dilma

Informação foi dada pelo governador Marconi Perillo. Segundo o goiano, reunião definirá pauta e posicionamento do PSDB frente ao governo federal

Governadores Reinaldo Azambuja (MS), Simão Jatene (PA), Geraldo Alckmin (SP), Marconi Perillo (GO) e Beto Richa (PR)

Governadores Reinaldo Azambuja (MS), Simão Jatene (PA), Geraldo Alckmin (SP), Marconi Perillo (GO) e Beto Richa (PR) | Fotos: reprodução / Facebook

O governador Marconi Perillo afirmou, na manhã desta terça-feira (28/7), em entrevista concedida à imprensa, em São Paulo, que os governadores do PSDB devem se reunir antes do encontro entre chefes do Executivo e a presidente Dilma Rousseff, agendado para o próximo dia 30, em Brasília.

“Possivelmente, deverá haver uma reunião prévia dos governadores do PSDB, antes do evento com a presidente, e nesse encontro nós vamos discutir nossa pauta e qual será nosso comportamento na reunião”, antecipou o governador.

Em 2014, o PSDB elegeu cinco governadores: Beto Richa (PR), Simão Jatene (PA), Geraldo Alckmin (SP), Marconi Perillo (GO) e Reinaldo Azambuja (MS). Sendo que os três últimos já confirmaram presença no encontro de quinta.

Marconi informou que a própria presidente Dilma pediu a ele para auxiliar na convocação dos governadores de oposição. Os governadores, segundo ele, deverão cobrar o governo federal informações e posicionamento sobre as medidas de ajuste fiscal, mas de forma “propositiva”. “Nós governadores temos a responsabilidade de gestão. Para nenhum de nós interessa o prolongamento dessa crise econômica”, completou.

Para o governador de Goiás, é preciso que as autoridades estaduais se unam institucionalmente e encontrem o melhor caminho para garantir o retorno do crescimento econômico do país.

“Nesse espírito republicano, é preciso conversar muito sobre o que está acontecendo hoje na economia, na política, e sobre as dificuldades que os governos enfrentam por conta da recessão. Eu não vejo nada demais em irmos lá, todos os governadores, para falar sobre assuntos que são fundamentais para o país”, justificou.

“Pedaladas”

O governador também foi questionado sobre o julgamento das chamadas “pedaladas fiscais” do governo federal por parte do Tribunal de Contas da União (TCU).

Segundo Marconi, a decisão não deverá interferir nas contas públicas do Estado de Goiás. “Eu não sei a situação de outros estados, mas em relação a Goiás não há nenhuma correlação. Aliás, nós tivemos no primeiro semestre um superávit orçamentário. Nós estamos rigorosamente de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal, cumprindo rigorosamente as metas do ajuste fiscal”, arrematou.

2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Epaminondas

O encontro prévio é para dividir em dois grupos: Os que lamberão a bota esquerda da Dilma e os que lamberão a bota direita.

Cinco sócios da crise. Tomara que afundem junto com a canoa Dilma.

Welbi Maia Brito

O governador Geraldo Alckmin sempre esteve à disposição para
discutir ações para ajudar o país neste momento de crise. Isso não significa
dar apoio político ao governo e à Dilma. A preocupação dele é com o país e com
a população. Se a presidentA e o PT esperam usar os governadores da oposição
para melhorar sua imagem ou obter apoio político, podem desistir.