O humano mais antigo que já viveu no território goiano que se tem notícia pode ter 12 mil anos. Isso se for confirmada a análise do esqueleto fóssil humano completo encontrado após escavação em um sítio arqueológico de Serranópolis, localizado a 340 quilômetros de Goiânia, no sudoeste do Estado.

Os pesquisadores também encontraram artefatos arqueológicos no mesmo local onde estava o esqueleto. Restos de fogueira e outros restos mortais, como dez cabeças completas, todas mais “recentes”, estimadas de terem vivido no ano 400 d.C, 76 anos antes da queda do Império Romano.

Os cientistas fazem agora a análise do material ósseo com o objetivo de determinar a idade exata dos restos mortais. Até agora, a estimativa se deu pelas amostras de carvão que estavam do lado do fóssil.
Acredita-se que o humano encontrado tenha sido sepultado pela posição em que foi encontrado: braços e pernas dobrados em diração corpo.

O fóssil foi encontrado no sítio arqueológico Gruta do Diogo 2, em funcionamento desde a década de 1970. Nesse local, já foram encontrados objetos cerâmicos e líticos (de pedra), pinturas rupestres e outros vestígios de ocupação humana nos últimos dez mil anos.

Trabalho dos pesquisadores exige técnica e paciência | Foto: acervo do Laboratório de Pesquisas Transdisciplinares em Arqueologia

Quem coordena o trabalho no sítio arqueológico é o pesquisador da PUC Goiás, Julio Cezar Rubin, com o paoio de outras instituições como a Universidade de Brasília (UnB), a Universidade Federal do Ceará (UFC) e a Universidade de São Paulo (USP).