Goiânia cai seis posições em lista de cidades com maior qualidade de vida

Capital melhorou apenas em educação, mas recuou em saúde, saneamento e segurança na última década, ocupando o 42º lugar no estudo geral da Macroplan

Goiânia está entre as capitais que lideram a recuperação
do mercado imobiliário

A terceira edição do estudo Desafios da Gestão Municipal (DGM), da consultoria Macroplan, que avalia a evolução de quatro áreas essenciais – saúde, educação, segurança e saneamento & sustentabilidade – nos 100 maiores municípios do País revelou que Goiânia caiu seis posições desde o último levantamento, em 2006.

A capital está na 42ª colocação, mas, naquele ano, ocupava a 36ª posição. Apesar da cidade ter sido destaque na área de saneamento, ocupando o 21ª lugar no ranking, também recuou três posições neste campo (em 2006 ocupava a 19ª colocação).

As posições nas outras áreas são: 54ª em educação (avanço de 19 posições na década, já que em 2006 estava em 73º lugar), 71ª em segurança (ocupava a 55ª posição em 2006) e 43ª em saúde (ocupava o 25º lugar em 2006).

A cada dez anos a Macroplan divulga o estudo. Para indicar o desempenho global de cada cidade, a consultoria criou um indicador sintético, composto por uma cesta de 15 pontos de todas as áreas analisadas, formando o IDGM – Índice Desafios da Gestão Municipal. O IDGM varia de 0 a 1. Quanto mais próximo de 1, melhor o desempenho do município.

Entre as 15 primeiras colocadas no ranking geral do DGM-2018 destacam-se dez cidades do interior de São Paulo. Maringá (PR) é a primeira colocada no ranking geral e Ananindeua (PA) está na lanterna entre as cidades analisadas.

A pesquisa da Macroplan demonstra que, nos últimos anos, a escassez de recursos financeiros foi  generalizada e semelhante nas 100 cidades. A receita subiu 13,6%, de 2010 a 2016, mas o crescimento da despesa foi maior (16,8%), puxada pelos gastos com pessoal e custeio, restando cada vez menos espaço para investimentos, que teve queda de 16,4% nos últimos cinco anos.

Ainda assim, o levantamento destaca que na década houve ganhos generalizados nos municípios estudados. As cidades que apostaram em novas soluções tiveram progressos relevantes.

O estudo ressalta que os líderes municipais terão que trabalhar com cobranças múltiplas, em contexto de forte escassez de recursos e acentuadas restrições burocráticas e legais.

Encontrar novas soluções para esses dilemas, dentro deste cenário, também é outro grande desafio que se coloca para os prefeitos, legisladores e gestores públicos municipais.

“Enquanto alguns municípios ficaram focados na agenda de curto prazo, outros conseguiram superar as adversidades do atual cenário e se modernizaram, com planejamento, foco e cooperação” destacou o diretor da consultoria, Glaucio Neves, coordenador geral do estudo.

O grupo de cidades semelhantes a Goiânia é composto  por Fortaleza (CE), São Luís (MA),Vila Velha (ES), Manaus (AM), Recife (PE), Natal (RN), João Pessoa (PB), Salvador (BA), Belém (PA), Aracaju (SE) e Maceió (AL).

Entre estas cidades, Vitória tem os melhores resultados no IDEB EF I e EFII, nos índices de acesso de água, coleta de lixo e de esgoto, assim como em número de exames pré-natal. Mas fica atrás de outras cidades do grupo nos  conjunto dos indicadores analisados.

1
Deixe um comentário

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
ziro

Dos dados levantadas pela matéria, é incompreensíveis candidatos como Marconi, Lucia Vânia, liderando nas pesquisas eleitorais. Será que uma das causas é o eleitor desinformado pelos gastos bilionários com o marketing Estatal com a mídia local? Aliás, faltou ao autor do artigo apontar as causas da perda de qualidade de vida do goianiense, porque será?