Gasolina foi vendida por R$ 5 para queimar homem encontrado em bueiro, em Goiânia

Suspeitos de participação no crime não tinham antecedentes criminais. Pivô seria ex-mulher da vítima, de 28 anos, que já foi presa pela polícia

Três suspeitos de atearem fogo em Marcos Reginaldo da Silva Barbosa, de 32 anos, e jogá-lo em um bueiro no Setor Residencial Real Conquista, em Goiânia, foram presos pela Polícia Civil. O trio foi apresentado na manhã desta terça-feira (1°/7) na Delegacia de Estadual de Investigação de Homicídios (DIH) e todos negaram participação no caso, ocorrido em fevereiro. De acordo com as investigações, um deles vendeu combustível por R$ 5 para o executor do crime.

Segundo a delega-adjunta da DIH Flávia Santos Andrade, Edilson Nascimento Alves, de 25 anos, Watilla Duarte de Paulo, 26, e Gabriel Gomes do Nascimento, vulgo Índio, de 27, não tinham antecedentes criminais.

O executor de Marcos teria sido Watilla, então companheiro de Keilla Marques de Castro, de 28. Ex-mulher da vítima, ela é apontada como a pivô da morte do homem, e já foi presa. A polícia investigou que Gabriel participou da execução de Marcos, ao vender gasolina por R$ 5 para o autor do crime.

Edilson foi detido temporariamente, pois ainda é apurado qual a real participação dele. O trio pode ser indiciado por homicídio duplamente qualificado por motivo fútil e meio cruel.

O Caso

Flávia Andrade relatou ao Jornal Opção Online que no dia do crime os envolvidos consumiam drogas e ingeriam bebidas alcoólicas na casa de Edilson, no mesmo bairro. Ao perceber o princípio de discussão entre Watilla e Marcos, o dono da residência mandou todos irem embora. Em depoimento, o suspeito afirmou ainda ter visto o grupo caminhando no mesmo sentindo, mas soube da morte de Marcos no dia seguinte.

Na época, a vítima havia se identificado como Antônio Bezerra e teve quase todo o corpo queimado. Marcos foi atendido pelo Serviço do Atendimento Móvel de Urgência (Samu) após ser encontrado durante a madrugada por uma pessoa que passava pelo local e escutou seus gritos. Ele foi encaminhado à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Setor Itaipu, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

*O texto foi alterado para correção de informação. Diferente do que foi informado pela delegada, a vítima não foi atendida no Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia (Huapa)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.