Financiamento público de campanha volta à pauta da Câmara

Plenário analisa item único da reforma política que cria fundo público para custear campanhas eleitorais e altera regras para eleição de deputados e vereadores

Plenário da Câmara dos Deputados deve votar reforma política a partir da próxima terça-feira (12/9) | Foto: Agência Câmara / Antônio Augusto

O plenário da Câmara dos Deputados deve retomar na próxima terça-feira (12/9) a análise da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 77 de reforma política, relatada pelo deputado Vicente Candido (PT-SP), que altera o sistema para eleição de deputados e vereadores e cria um fundo público para o financiamento das eleições.

Até o início da votação, os deputados vão tentar fechar um acordo para analisar pelo menos o texto básico da proposta, com eventuais destaques. Dependendo da negociação, essa PEC pode continuar em votação na quarta-feira (13).

Também está na pauta outra proposta da reforma política: a PEC 282/16, relatada pela deputada Shéridan (PSDB-RR), que altera as regras sobre coligações partidárias nas eleições proporcionais e cria uma cláusula de desempenho para acesso a recursos do Fundo Partidário e ao horário gratuito de rádio e TV.

Há acordo para que a votação da PEC 282, cujo texto-base já foi aprovado em primeiro turno, só ocorra após a conclusão da análise sobre sistema eleitoral e financiamento de campanhas (PEC 77).

A decisão sobre o sistema eleitoral terá prioridade porque influencia diretamente as regras sobre coligações: por exemplo, se for aprovado o chamado “distritão”, que é a eleição pelo sistema majoritário de deputados e vereadores em 2018 e 2020, o sistema de coligações não afeta a distribuição das cadeiras. Por outro lado, se as mudanças forem rejeitadas e ficar mantido o sistema proporcional atual, as regras para as coligações são determinantes para o resultado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.