O auditor fiscal Carlos Alberto Barbosa, de 64 anos, e a mãe dele, Sebastiana Aparecida Barbosa, de 85, foram dopados e mortos pela sobrinha da idosa, o marido e filho. A motivação do crime seria para roubar joias, dinheiro e um carro, com intuito de quitar dívidas com agiotas.  

De acordo com o delegado Rhaniel Almeida, após a polícia de Morrinhos encontrar uma das vítimas, eles foram acionados. Chama atenção é que os corpos foram assassinados e abandonados em dias distintos.

Segundo a investigação, a sobrinha, o marido e o filho chegaram ao apartamento do auditor fiscal e da mãe no dia 15 de janeiro e ficaram até o dia 26. Durante esse tempo, as vítimas foram dopadas e mortas pelos parentes. “Os suspeitos disseram que provocaram uma overdose de medicamentos controlados”, comenta o delegado.

No dia 19, a suspeita da polícia, é que o auditor Carlos Alberto tenha sido morto e retirado do apartamento, em uma cadeira de rodas, e colocado dentro do próprio carro. O corpo foi encontrado carbonizado na divisa de Goiás com Minas Gerais. E, no dia 26, a polícia suspeita que Sebastiana teria sido morta e da mesma forma retirada usando uma cadeira de rodas. Diferente do primeiro caso, o corpo dela foi encontrado às margens da BR-153, próximo a Professor Jamil que fica a 70 km de Goiânia.

Momento em que Sebastiana Aparecida Barbosa é retirada do prédio

Ainda segundo o delegado, os corpos foram encontrados em lugares diferentes por erro dos criminosos. Eles se envolveram em um acidente e ficaram com medo de serem abordados pela Polícia Rodoviária Federal. “Eles acabaram envolvendo em acidente em Professor Jamil e retiraram a idosa do carro e levaram para o outro lado da pista. E de fato eles acabaram sendo abordados pela PRF, mas idosa não estavam com eles no carro” explica.

Após o corpo de Sebastiana ser encontrado, o trabalho de identificação da polícia e procura pelos suspeitos começou. A sobrinha da idosa, Luciene Teodoro de Andrade e o filho, Eduardo José de Andrade, foram encontrados e presos em Ituiutaba. Já o marido da sobrinha, José Eterno de Andrade Filho, estava no apartamento em Goiânia e foi preso.

A polícia civil aguarda o laudo pericial para decretar a causa das mortes. Os três suspeitos seguem presos.