Feirantes pedem que revitalização da Praça do Trabalhador fique para janeiro

Em manifestação no Paço, que contou com presença do deputado Paulo Trabalho, comerciantes solicitaram adiamento e acomodação nas duas pistas da 44

Foto: Luiz Phillipe Araújo/Jornal Opção

Feirantes que atuam na Feira Hippie se manifestaram nesta segunda-feira, 27, no Paço Municipal de Goiânia, para pedir o adiamento da revitalização da Praça do Trabalhador para janeiro e, também, para que se acomode os trabalhadores nas duas pistas da 44 e parte da R.

Entre as palavras de ordem, expressas em cartazes, os comerciantes pediam por respeito, pela manutenção de local de trabalho. “A praça é nossa”, escreveu um manifestante.

Preparação

Ao Jornal Opção, o presidente da Associação da Feira Hippie, Valdivino da Silva, informou que os feirantes pedem o adiamento da revitalização para janeiro, a fim de se prepararem. Ele explica que também foi passado à prefeitura a área que eles querem permanecer durante a obra, que seria as duas pistas da 44 e parte da R, formando um “L”.

Segundo ele, desta forma, 30% estariam dentro da Feira e 70% do local livre para fazer obra, com os ônibus entrando e saindo da Rodoviária pela parte debaixo. “O que não aceitamos é que uma parte vá para 44 e a outra – quase duas mil pessoas – vá para a Leste-Oeste. Vamos assassinar esses feirantes”, adverte.

Foto: Luiz Phillipe Araújo

Prejuízos

Valdivino, que lembra os seis mil feirantes que atuam no local, afirma que os trabalhadores não são contra o progresso, mas que necessitam deste tempo e dos locais apontados para que estes possam fazer a readequação financeira e não quebrar na transição. “Se [a obra] for [iniciada] em 20 dias, muitos terão problemas com fornecedores e funcionários”.

Para o presidente, além do início no primeiro mês do ano que vem, será necessário, também, um documento assinado que garanta o retorno ao local original, quando a obra estiver terminada.

Questionado se desta forma não haverá prejuízos, ele diz que ainda sim terá. “Mas menos. Se começar nos próximos 20 dias será 90% maior”.

Apoio

O deputado estadual Paulo Trabalho (PSL) esteve presente para demonstrar o seu apoio a causa. Segundo ele, os feirantes são trabalhadores que, do início ao meio do ano, basicamente pagam conta. Para o parlamentar é justamente no meio do período que eles começam a ganhar dinheiro, ocasião em que querem realizar a obra.

“Me sensibilizo com os feirantes”, diz Trabalho ao reforçar que mexer com esses trabalhadores neste momento, sem nada definido, lhe gera muita preocupação. “É preciso buscar entendimento para que essa obra seja feita por etapas, com a garantia de que o feirante continue trabalhando”.

Deputado Estadual Paulo Trabalho | Foto: Fábio Costa / Jornal Opção

Questionado sobre como Assembleia pode ajudar, ele lembra que esta é uma decisão do Paço, mas que o legislativo estadual pode intermediar e “engrossar” a causa junto ao prefeito Iris (MDB). “O povo é o mais importante, mas estamos aqui somando. Queremos ajudar o prefeito, mas que ele não deixe essas pessoas desamparadas”.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.