Nathália teve suas fotos usadas para criação de páginas falsas que pediam ajuda financeira na internet, ao invés de excluir falsários, rede social deletou conta da jovem

Uma decisão da juíza do 5º Juizado Especial Cível de Goiânia, Roberta Nasser Leone, determinou que o Facebook reative a conta de uma jovem portadora de câncer que teve seu perfil excluído pela rede social. Nathália França havia recorrido à Justiça depois de ver suas fotos em páginas falsas, que pediam até ajuda financeira.

Após denunciar as contas falsas, entretanto, Nathália viu não só seu perfil, como o de sua mãe, Denise Aparecida, e a página “Juntos pela Nath”, desativados. A página, administrada pela jovem e sua mãe, era utilizada para compartilhar histórias, fotos e vídeos motivacionais. O advogado de Nathália, Rafael Maciel, destacou que nessa página, eram registrados tratamentos e mensagens de apoio, criando uma atmosfera de ânimo que servia de motivação para outras pessoas que também se encontram em situações parecidas.

Ele explicou, ainda, que foram identificados três perfis diferentes que usaram a foto de Nathália. “Em nomes diversos, tais usuários passaram a utilizar as imagens e conteúdo das redes sociais, sobretudo da página, como se tivessem a doença, no claro intuito de angariar seguidores, likes e promover correntes de ajuda online, se valendo da condolência alheia”, esclareceu.

A jovem afirma que se sentia bem ao saber que sua história vinha servindo de inspiração, consolo e ânimo para diversas outras pessoas que também vivenciavam a luta contra o câncer. Segundo o advogado, negar à jovem a possibilidade de se sentir bem em um momento difícil e doloroso atenta contra a dignidade da pessoa humana.

Considerando a possibilidade de dano de difícil reparação, a magistrada Roberta Leone concedeu a liminar, no sentido de determinar a reativação das contas do Facebook de Nathália e de sua mãe. Na ação também é pedida indenização ao Facebook pelo vício na prestação do serviço.