Ex-diretor da Comurg segue com bens bloqueados

Paulo de Tarso responde no TJ por improbidade administrativa por fraude em licitações da Companhia

A desembargadora Amélia Martins de Araújo manteve a decisão da 2ª Vara da Fazenda Pública Municipal de Goiânia que bloqueou os bens do ex-diretor da Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg), Paulo de Tarso, em abril de 2014. Paulo responde por improbidade administrativa, junto a outros sete réus, por fraude em licitações do órgão. A soma dos bens bloqueados de todos os acusados ultrapassa R$ 18 milhões.

De acordo com o Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJ-GO), consta dos autos do processo que os gestores da Comurg e de pastas da Prefeitura de Goiânia, acertados com a empresa contratante, teriam permitido o sucateamento de caminhões da Companhia para firmar contrato de locação de 25 veículos sem o devido processo licitatório.

Em recurso, Paulo de Tarso alegou que não foi provado dano ao Cofre nem fraude, já que o próprio Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO) havia indicado a dispensa do processo licitatório devido à precariedade dos automóveis. A desembargadora Amélia Martins, porém, sustentou a decisão da 2ª Vara afirmando que “a indisponibilidade de bens dos agentes ímprobos é garantir a efetividade do futuro provimento jurisdicional de ressarcimento do dano, em face da supremacia do interesse público envolvido”.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.