Ex-candidato a deputado estadual é acusado de não pagar colaboradores de campanha. Valor pode chegar a 300 mil

12 vítimas alegam que Junior do Riva (PHS), também vice-prefeito de Britânia, deve 20 mil reais. Ele fala em 300 mil, mas nega calote e garante que quitará dívida

Foto: reprodução / Site oficial

Foto: reprodução / Site oficial

O delegado Waldir Soares, do 8º Distrito Policial de Goiânia, ouviu, na manhã desta quarta-feira (12/11), supostas vítimas de crime de estelionato. De acordo com informações da Polícia Civil, cerca de 12 pessoas foram contratadas pelo ex-candidato a deputado estadual e vice-prefeito de Britânia, Rivadavia Jaime Junior, o Junior do Riva (PHS), mas não conseguiram receber. Elas alegam que ele teria emitido quatro cheques sem fundos para pagamento de “lideranças de campanha” em Goiânia.

De acordo com o delegado, as vítimas acusam o político de se negar a quitar a dívida. “Quando procurado, inicialmente, Junior garantiu que venderia uma fazenda para realizar os pagamentos. No entanto, após nova tentativa das vítimas de receber, ele reconheceu que não poderia efetuar o pagamento”, explica Waldir Soares. Ainda segundo as pessoas ouvidas, os cheques deveriam ter sido descontados no dia 3 de outubro.

A estimativa da polícia é de que a dívida chegue a quase 20 mil reais. “Inicialmente, fomos procurados por essas 12 vítimas que abriram boletim de ocorrência. Mas, já há gente do interior nos procurando pelo mesmo motivo”, afirma o delegado. O inquérito foi aberto e Junior do Riva deverá ser ouvido nos próximos dias.

Outro lado

Em entrevista ao Jornal Opção Online, Junior do Riva confirmou a dívida e afirmou que em nenhum momento “fugiu de suas responsabilidades”. “Eu estou passando por dificuldades, mas vou cumprir o que foi acordado com essas pessoas. Estou resolvendo essa situação”, garantiu. Segundo ele, não deixou de atender nenhum dos contratados que não foram pagos. “Não é verdade que eu falei para eles que não pagaria. Inclusive, meu pai colocou uma fazenda à venda para podermos resolver o problema”, explicou.

O vice-prefeito relatou à reportagem de que a dívida é muito maior do que a relatada pelo delegado Waldir Soares. “Acho que deve chegar a uns 300 mil reais”, lamentou. Junior conta que os colaboradores não foram pagos porque um deputado federal que fazia dobradinha com ele não o repassou o dinheiro. “Ele sabe bem quem é. Essas pessoas trabalharam para ele também, mas os contratos ficaram no meu nome”, finalizou.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.