No mundo, já foram registrado ao menos cinco casos de reinfecção, o que mostra que exposição ao coronavírus Sars-CoV-2 pode não significar imunidade total

Coronavírus | Foto: Reprodução

Um artigo publicado nesta segunda-feira, 12, na revista médica The Lancet Infectious Diseases, relatou o caso de um homem de 25 anos que foi infectado por duas variedades do novo coronavírus em um período de 48 dias. Já foram ao menos cinco casos de reinfecção registrados cientificamente no mundo.

Os casos indicam que exposição ao coronavírus Sars-CoV-2 pode não significar imunidade total.

Conforme o artigo, em abril deste ano o jovem testou positivo para Covid-19. Em duas outras ocasiões testou negativo. No entanto, em junho voltou a apresentar sintomas mais graves, como febre, dor de cabeça, tontura, tosse, náusea e diarreia. Um novo teste apontou a reinfecção, mas com diferenças genéticas significativas entre os dois vírus.

A segunda infecção foi mais grave e o paciente de Washoe County, Nevada, necessitou ser hospitalizado com suporte de oxigênio.

“Nossas descobertas indicam que uma infecção prévia por Sars-Cov-2 não necessariamente protege contra uma infecção futura”, explicou o autor do trabalho, Mark Pandori, do Laboratório de Saúde Pública do Estado de Nevada e da Universidade de Nevada. “Embora mais pesquisas sejam necessárias, a possibilidade de reinfecção pode ter implicações para compreensão da imunidade da Covid-19 especialmente na ausência de uma vacina eficaz”, acrescentou.

Pandori ainda orientou para que pessoas que testaram positivo para coronavírus continuem a adotar medidas de proteção como distanciamento social, uso de máscaras faciais e lavagem das mãos.