Estado de saúde das siamesas que nasceram no Materno Infantil é grave, mas estável

Anny Gabrielly e Anny Beattriz estão na UTI e respiram com auxílio de aparelhos. Irmãs nasceram com 37 semanas e são unidas pelo tórax e abdômen, compartilhando o coração e o fígado

É grave o quadro das gêmeas siamesas que nasceram em Goiânia, no Hospital Materno Infantil (HMI), na última quarta-feira (10/12). De acordo com boletim médico encaminhado pela unidade de saúde,  a situação das irmãs inspira cuidados, mas é estável.

Elas estão internadas na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal do hospital e respiram com auxílio de oxigênio suplementar. As crianças nasceram com 37 semanas e são unidas pelo tórax e abdômen, compartilhando o coração e o fígado.

Ao Jornal Opção Online, o pai, Jeiel dos Santos Guedes, de 25 anos, contou que já viu as filhas e que está muito esperançoso: “estou muito feliz. Deus nos tem dado confiança e o médico disse que o estado de saúde é razoável, melhor do que esperado”.

Ele também confidenciou que as meninas já têm nome: Anny Gabrielly e Anny Beattriz. “A expectativa é que possamos vê-las novamente ainda hoje”, comemora.

Jeiel e a esposa, Iara Pereira Dourado, de 24 anos, são da Bahia e vieram para Goiás em busca do tratamento. “Estamos na casa da minha irmã. Viemos só por causa de minhas filhas”, explica o pai. A mãe encontra-se em observação em uma enfermaria e seu estado de saúde é bom, informa o hospital. Ainda não há previsão de alta.

Natural de Ibipeba (BA), Iara deu entrada no HMI às 9h30 da última quarta-feira (11/12) e passou por uma avaliação da equipe de obstetrícia da unidade com o acompanhamento do cirurgião pediátrico Zacharias Calil, especialista em casos de gêmeos siameses.

A equipe decidiu pela realização de cesariana, que ocorreu tranquilamente e foi concluída às 15h30.

Abaixo, foto do raio-x, concedida pelo hospital:

Raio X

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.