Especialista explica diferença entre candidatura avulsa e isolada para o Senado 

Delegado Waldir fez consulta ao TSE sobre candidatura avulsa e Baldy fala em candidatura isolada 

Diante da disputa para ser o nome na chapa de reeleição do governador Ronaldo Caiado (UB) ao Senado, surgiu entre os pré-candidatos duas situações jurídicas. A primeira é a candidatura avulsa, que foi motivo de consulta do deputado Delegado Waldir (UB) ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e, a segunda, a candidatura isolada, que vem sendo propagada por Alexandre Baldy (PP).   

Delegado Waldir defende que na mesma chapa, com Caiado ao governo, seja possível candidaturas avulsas de outros nomes, como o dele próprio, que integra o mesmo partido do governador. Embora a consulta realizada pelo parlamentar tenha tido resposta técnica favorável, o resultado precisa passar pelo pleno da Corte, antes das convenções partidárias.   

Por outro lado, Alexandre Baldy indica que pode sair como candidato isolado, caso não seja o escolhido por Caiado. Segundo Cardoso, essa opção é mais viável, uma vez que ele está em outro partido, “fora da coligação”. “Candidatura avulsa é ideia do Delegado (Waldir) a dele (Baldy) é candidatura isolada (para o Senado). Isso pode, é o cenário que vejo mais provável de acontecer”, prevê. No Progressista “há uma chapa de pré-candidatos a deputado federal, uma chapa de pré-candidatos a deputado estadual, então nada impede que haja uma candidatura de senador”, destaca, definindo a eleição ao Senado como “híbrida”. “Embora seja uma candidatura majoritária, ela é para o legislativo”, finaliza.  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.