Especialista diz que municipalização do transporte coletivo é “retrocesso” para Goiânia

Superintendente da Secima, Marcelo Safadi avalia a rede integrada como essencial para a locomoção dos cidadãos

Superintendente Executivo de Assuntos Metropolitanos da Secima, Marcelo Safadi

Rafaela Bernardes

O transporte coletivo de Goiânia é tema recorrente dos debates no âmbito político na capital. Atualmente, a Comissão Especial de Inquérito (CEI) da Câmara Municipal que investiga o sistema defende a municipalização do transporte público na capital.

A proposta também é bandeira do vereador Jorge Kajuru (PRP), que apresentou projeto de lei para que seja criada uma rede de transporte própria de Goiânia, com linhas locais e tarifas menores.

O prefeito de Goiânia, Iris Rezende (PMDB), durante recente visita à Câmara, afirmou que caso o projeto seja aprovado pelos parlamentares, não haveria dificuldade em sancionar a proposta.

No entanto, a ideia de municipalizar o transporte coletivo de Goiânia está  longe de ser consenso.

O superintendente Executivo de Assuntos Metropolitanos da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos (Secima), Marcelo Safadi, é um exemplo de quem é contrário à proposta. Para ele, a desconstrução da rede metropolitana de transporte coletivo é um retrocesso.

“É preciso definir primeiro o que eles entendem por municipalização do transporte coletivo. Se for algo que enfraqueça ou que desconstrua a rede metropolitana de transporte público ,que já existe, será um retrocesso. Outras cidades brasileiras apostaram nisso e tiveram o processo fracassado”, disse.

Ao Jornal Opção o superintendente defendeu um estudo sobre a tarifa diferenciada para transporte intra-municipal e o intermunicipal, e que as linhas municipais podem existir, desde que integrem a rede.

“Temos um sistema no qual o usuário usa o mesmo cartão para embarcar em qualquer plataforma da região metropolitana, com as linhas integradas. Isso deve ser mantido. O que pode ser feito imediatamente são estudos técnicos e soluções inteligentes para o trânsito na capital, o que gera impacto direto no transporte público”, argumentou.

Ainda sobre a discussão e a abordagem do assunto ‘transporte coletivo, Safadi diz que o debate não pode ser feito “com discurso populista”, pois o assunto é técnico: “A politização e o populismo têm atrapalhado as discussões e a solução do problema.”

Uma solução sugerida pelo superintendente da Secima é o subsidio do transporte feito justamente pelos que não utilizam o sistema . “O usuário do carro particular deveria contribuir e financiar de alguma forma o transporte coletivo. Destinar parte do valor pago pela gasolina consumida por esses usuários para o transporte coletivo, por exemplo, seria uma alternativa. Mas deixo claro que essa é uma opinião pessoal minha, não a do governo estadual”, arrematou.

4 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Adalberto de Queiroz

Seria outro “cabidao” feito a Comurg. Argh!

zelito Silva

Descordo dos especialistas , pelo contrario a municipalização é o minimo , que a prefeitura deve fazer. pois e´de responsabilidade dela gerir o sistema. porque ta demostrado que deixar o sistema totalmente nas naos privadas na o é a solução. a quantos anos ta assim ?

Marcelo Safadi

Prezado Zelito, para sua informação, a municipalização do transporte não elimina os empresários, apenas muda a relação de contrato com eles, mas o usuário que fosse de Goiânia para Aparecida tem que trocar de ônibus. O Sistema que integra os transportes é a Rede Metropolitana. A falta de entendimento do que se pretende é o problema. Deixar de ser Metropolitano para ser municipal apenas dificulta para o passageiro, pois o transito continuará igual…

cassio

este ai esta defendendo os empresários como um onça ao seu filhote , estes estudiosos de goias tinham que ir para outras capitais para perceber a palhaçada que dizem em defender este cartel maldoso .. o povo não e bobo cidadão !!

Marcelo Safadi

Pois é Cassio, o cartel pode continuar… Municipalização não muda o modelo de negócio… apenas muda para o usuário que terá que pagar linhas diferentes com meios diferentes. Para criar as linhas municipais não é preciso desativar o sistema. Por isto que este assunto não é para leigos, pois ele implica em muitos aspectos técnicos. Um deles por exemplo é o fato do transito não ser resolvido, e ser o maior problema para o transporte coletivo. O resto é populismo.

Paulo amorim

Municipalizar o sistema de transporte em regiões metropolitanas e de um retrocesso sem precedentes coisa de político jogando pra torcida
Pergunta pra eles se eles têm alguma ideia da operacionalização dessa tal municipalização O que tem que se buscar sempre é a melhoria da qualidade do transporte