Em nota, Secretaria de Saúde garante funcionamento do Hugo e anuncia novos repasses

Hospital divulgou nota informando sobre a continuidade das atividades e o atendimento às exigências do Ministério do Trabalho

Foto: Matheus Monteiro/ Jornal Opção

O Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) divulgou nota na tarde desta terça-feira (25/9) esclarecendo que o hospital continua atendendo dentro da normalidade e que um repasse da Secretaria da Fazenda tem permitido a aquisição de medicamentos. Além disso, também informaram em nota que outro repasse permitiu o abastecimento de insumos. De acordo com o Hugo, essas foram as principais exigências do Ministério do Trabalho e novos repasses serão realizados.

Confira nota na íntegra:

A Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO) informa que o Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO) realizou 28 cirurgias de ontem à noite até o final da manhã desta terça-feira, 25. Portanto, o hospital continua atendendo dentro da normalidade e do seu perfil de urgência e emergência. Ontem foi realizado repasse pela Secretaria da Fazenda de R$ 2 milhões para a aquisição de medicamentos, em que parte já foi adquirida na manhã de hoje, de forma emergencial, e até amanhã o estoque da farmácia do HUGO estará normalizado. Outros R$ 2 milhões foram repassados hoje, para garantir o abastecimento desses insumos, bem como das demais necessidades do hospital. Essa é a principal exigência do Ministério do Trabalho. Novos repasses serão realizados ainda nesta semana.

Dessa forma, vale reafirmar que o HUGO continua a receber pacientes de urgência e emergência. Na manhã de hoje, o hospital realizou outras cirurgias e existem mais 25 previstas, além das de urgências, de um total de 159 pacientes atendidos. Na enfermaria, são 270 internos; na UTI, outros 57. A taxa de ocupação dos 407 leitos do HUGO atualmente é de 90%, dos quais 5% precisam estar desocupados para higienização e preparo para receber novos pacientes.

A Secretaria de Estado da Saúde de Goiás enfatiza que não houve interdição do HUGO e de nenhum outro hospital da rede pública estadual. Apenas foi exigido um plano de contingenciamento pelo Ministério do Trabalho, que está em negociação. Nenhum dos 17 hospitais da rede pública estadual sofreu paralisação e todos continuam atendendo normalmente.

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.