O Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, constatou nova variante após analisar amostra de um morador de Ceres

Nova cepa é encontrada em Goiás | Foto: reprodução

Uma nova cepa do coronavírus detectada em Goiás foi encontrada pelo Instituto Adolfo Lutz,  em São Paulo, após analisar amostra de um morador de Ceres. O laboratório paulista confirmou na segunda-feira, 8, que é um caso de reinfecção na mesma pessoa por essa variante. A constatação tem preocupado autoridades de saúde e acende o alerta para que as medidas de isolamento sejam cumpridas.

Ao Jornal Opção, o infectologista Boaventura Braz disse que a respeito da nova cepa ainda não se sabe muito. “Sabe-se por ser um vírus que tem uma diferenciação do Sars-Cov-2, que pode ser considerado uma nova cepa. Quando se considera que é um nova cepa, é porque exatamente o material genético dela é tão  diferente que poder ser considerada diferente das demais já encontradas até o momento, ou seja, diferente da cepa da África do Sul, de Manaus e do Reino Unido”, explica.

O especialista alerta para o impacto dessa nova cepa no resultado da vacinação contra à Covid-19. “Preocupa muito, porque quanto mais você tem cepas diferentes mais impacto pode ter no resultado da vacinação. Por exemplo, essa vacina da Oxford é uma vacina que vai proteger a partir da proteína, e essa vacina corre o risco de perder a capacidade, a efetividade de pessoas que tenham sido vacinadas diante dessas novas cepas que estão aparecendo no mundo”, aponta Boaventura.

Para Boaventura é preciso manter os cuidados, e ao mesmo tempo reforça a importância que é a redução da transmissão, seja em Goiás ou em qualquer parte do mundo.” Quanto mais o vírus circula, maior a probabilidade de novas cepas aparecerem. Independente de estar vacinado ou não as pessoas tem que manter os cuidados, primeiro porque a vacina que nós temos a disposição não consegue proteger a pessoa de ter o vírus no corpo dela, de estar infectado, podendo transmitir mesmo não tendo os sintomas”, alerta.