Em Goiânia, Campos defende manutenção do Minha Casa, Minha Vida e promete 4 milhões de novas moradias

Pré-candidato ao Palácio do Planalto respondeu perguntas pré-estabelecidas pela programação do 86º Enic. Para ele, é preciso aprimorar e agilizar o programa

Eduardo Campos

Ex-governador de Pernambuco é recepcionado no Centro de Convenções, em Goiânia | Foto: Marcello Dantas/Jornal Opção Online

O ex-governador de Pernambuco e pré-candidato à presidência da República pelo PSB, Eduardo Campos, defendeu a manutenção do programa Minha Casa, Minha Vida e prometeu a construção de 4 milhões de unidades habitacionais em todo o país nos próximos quatro anos caso eleito. As falas vieram na manhã desta segunda-feira (23/5) durante painel no último dia do 86º Encontro Nacional da Indústria da Construção, no Centro de Convenções de Goiânia.

Campos elogiou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) que, segundo ele, conseguiu reunir diferentes programas sociais pensados pelo também ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e aplicá-los no Brasil por meio do Minha Casa, Minha Vida. Para o presidenciável, é preciso corrigir o que há de errado e não o que está dando certo nos programas sociais.

Apesar de defender a manutenção do benefício, o pessebista pontuou que é preciso ampliá-lo e aprimorá-lo. “Temos que ter uma visão regionalizada quando formos construir novas casas, entender os vários brasis existentes dentro do Brasil”, refletiu, complementando que cada região exige adaptação. O ex-governador destacou que como mudanças pretende acelerar o processo de construção e liberação de novas residências por meio do Minha Casa, Minha Vida.

Em tom político, Campos analisou que é preciso devolver o Brasil aos brasileiros e tirar as velhas raposas isoladas em seus palácios do poder. “O governo que não ouve não está alinhado com o povo”, criticou. Campos é neto do ex-governador de Pernambuco por três vezes Miguel Arraes, falecido em 2005.

O pernambucano comentou em suas respostas sobre o setor energético e o reforço nos programas de habitação. Em relação à economia, o ex-ministro da Ciência e Tecnologia do governo Lula observou que é preciso rever o sistema tributário brasileiro, considerado por ele como o pior do mundo.

Antes do início do painel, Campos foi recepcionado pela cúpula da construção civil e da indústria de Goiás e do país em uma sala fechada. O pré-candidato comentou, principalmente, sobre investimentos na área do saneamento básico.

Em discurso de pouco mais de 48 minutos, no qual respondeu sequencialmente à pauta de questionamentos pré-estabelecidos pelo evento — como, por exemplo, a garantia da continuidade de programas sociais, a viabilização de investimentos públicos e privados, a desburocratização do Brasil e o investimento tecnológico e de capacitação na construção –, o político foi aplaudido 17 vezes e arrancou risos do público em diferentes situações.

O nome da ex-senadora Marina Silva (PSB), que compõe pré-candidata a vice de Campos, foi citado apenas uma vez, ao final do fala. Já a presidente Dilma Rousseff, pré-candidata petista à reeleição no Palácio do Planalto, foi lembrada pouco mais de três vezes, sempre em tom de crítica.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.