Em Aparecida de Goiânia, Justiça condena empresa de ônibus a indenizar jovem por desrespeito no Embarque Solidário

A condenação vai fazer a empresa Rápido Araguaia pagar uma indenização, em R$ 10 mil, para um rapaz com paralisia cerebral e deficiência motora usuária do transporte coletivo

A empresa Rápido Araguaia terá que indenizar um rapaz com paralisia cerebral e deficiência motora, após um ônibus não abrir a porta no Terminal Veiga Jardim, em Aparecida de Goiânia, para realizar o chamado Embarque Solidário. A indenização custará R$ 10 mil a empresa.

A intervenção do MPGO, foi feita pela promotora de Justiça Patrícia Teixeira Guimarães Gimenes, da 1ª Promotoria de Justiça de Aparecida de Goiânia, com atuação na área de Saúde e Cidadania. A mãe do rapaz que tem paralisia cerebral tetraespástica, deficiência intelectual grave e epilepsia focal controlada, se encaminhou a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), após ter o pedido para o ônibus abrir a porta negado.

O motorista teria parado o ônibus um pouco mais à frente, para que pessoas sem deficiência entrassem, o que teria ferido o direito de acesso ao transporte coletivo. No processo, a promotora acusa a empresa por ter ferido os danos morais e negado as normas de acessibilidade a pessoa com deficiência.

Uma resposta para “Em Aparecida de Goiânia, Justiça condena empresa de ônibus a indenizar jovem por desrespeito no Embarque Solidário”

  1. Avatar Valmi Gomes Silva disse:

    É comum esse tipo de agressão aos deficientes, gestantes e idosos. Nós terminais não tem onde reclamar. Procedeu corretamente a promotora de justiça. Casos como esse não ocorre somente nos terminais. Um exemplo é o meu que sou idoso e embarco a três pontos antes do ponto final da linha 509 rosa dos ventos. Um motorista de ônibus já me deixou várias vezes no ponto . As vezes ele anda uns trinta metros a mais para descer os passageiros somente para não embarcar quem estiver esperando o ônibus. Ele só para quando está voltando. É sempre e o mesmo motorista que pratica essa violência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.