Educação e Saúde municipais entram em greve

Categorias seguem com paralisação por tempo indeterminado. Reivindicações incluem pagamento do retroativo da data-base e condições de trabalho

greve-educacao-facebook

Professores em assembleia na última semana: greve tem início nesta terça (14) | Foto: reprodução / Facebook

Os servidores municipais da Educação de Goiânia entram em greve a partir desta terça-feira (14/4), sem previsão de término. A estimativa do Sindicato Municipal dos Servidores da Educação do Município de Goiânia (Simsed) é de que 200 escolas e Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) fiquem parados.

Segundo o Simsed, existe um “total descaso” da Prefeitura de Goiânia com a Educação municipal. De acordo com o sindicato, o prefeito Paulo Garcia (PT) construiu menos de 10% do número de CMEIs que prometeu em campanha. Ele também não estaria investindo na estrutura física daqueles que existem e estaria fechando turnos das escolas.

A categoria, que também reclama de falta de segurança nas unidades que funcionam no turno noturno, afirma que o objetivo maior da greve é lutar contra a perda de direitos trabalhistas e contra o sucateamento da rede municipal de ensino de Goiânia.

As reivindicações dos trabalhadores da Educação são o pagamento do retroativo da data-base de 2014 dos servidores administrativos; pagamento da gratificação de 30% para auxiliares educativas e transposição para o Plano de Carreira do Magistério; pagamento do retroativo de 2014 do Piso dos Professores; pagamento das titularidades, titulações, progressões e de seus respectivos retroativos; cumprimento dos compromissos acordados nas greves de 2013 e 2014; retirada imediata do projeto de reforma administrativa que reduz e corta direitos dos trabalhadores e revogação do Decreto nº 2.718 da Prefeitura de Goiânia, que determinava medidas temporárias de contenção de gastos.

Saúde

Os servidores municipais da Saúde de Goiânia deram início na última segunda-feira (13) à greve por tempo indeterminado. A classe pretende seguir com a paralisação até que a Prefeitura atenda às reivindicações da categoria.

Enquanto os servidores estiverem paralisados, todo serviço que não for considerado urgência e emergência estará suspenso. Segundo o Sindsaúde, a Prefeitura de Goiânia não oferece condições mínimas de trabalho e de assistência ao usuário do Sistema Único de Saúde (SUS), não respeita o Plano de Carreiras, Cargos e Vencimentos (PCCV), não paga a data-base com a retroatividade e desrespeita lei federal que determina o pagamento do Piso Nacional dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e de Combate às Endemias (ACE).

Outras reivindicações da categoria são pela correção do adicional de insalubridade, auxílio-movimentação e alimentação e abono especial. A base de apoio da greve será na Câmara Municipal, onde os servidores se reunirão todos os dias.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.