The Economist credita baixo desempenho da economia à improdutividade dos trabalhadores

Revista responsabiliza a situação à infraestrutura deficitária, baixo rendimento dos estudantes brasileiros, às empresas familiares e ao Governo, por proteger negócios pouco produtivo

brasileiros improdutivos gg

Capa da Revista Exame sobre reportagem que abordou o baixo rendimento do
trabalhador brasileiro

“Soneca de 50 anos”. Este é o título de reportagem polêmica da última edição da revista The Economist que aborda a improdutividade dos trabalhadores brasileiros. Segundo a publicação, o Brasil possui profissionais “gloriosamente improdutivos”, creditando ao trabalhador o atual cenário de estagnação da economia brasileira. A reportagem sugere que o brasileiro saia “de seu estado de estupor” para ajudar a acelerar a nossa economia.

Dentre as fontes entrevistadas para produção da matéria está um norte-americano proprietário do restaurante BOS BBQ no Itaim Bibi, em São Paulo. O empresário Blake Watkins afirma que um funcionário brasileiro aos 18 anos tem a mesma habilidade desenvolvida aos 14 por um norte-americano. Ele mora no Brasil há três anos.

Pela análise da The Economist, o Brasil vivenciou um rápido momento de alta produtividade entre as décadas de 60 e 70, período após o qual o trabalhador brasileiro estacionou, e, nos últimos 50 anos, passou a apresentar queda de produtividade.

“A produtividade do trabalho foi responsável por 40% do crescimento do PIB do Brasil entre 1990 e 2012 em comparação com 91% na China e 67% na Índia, de acordo com pesquisa da consultoria McKinsey. O restante veio da expansão da força de trabalho, como resultado da demografia favorável, formalização e baixo desemprego”, aponta a publicação em busca de demonstrar que a estagnação brasileira ocorreu quando o cenário econômico se mostrou favorável a países como Chile, China e Coreia da Sul.

Segundo a revista, levam o brasileiro a ser improdutivo: investimento precário em infraestrutura, baixo rendimento dos estudantes brasileiros mesmo com a alta no gasto público com educação, a má gestão das empresas instaladas no Brasil, a legislação trabalhista –– no sentido de empregar amigos e familiares muitas vezes menos competentes com vista a evitar problemas na Justiça Trabalhista. Por fim a reportagem credencia ao governo parte da culpa, alegando que o Estado brasileiro protege setores pouco produtivos e assim auxilia na existência de empresas pouco produtivas.

Recentemente a Revista Exame, da Editora Abril, estampou a capa com resultado de pesquisa encomendada pela publicação segundo a qual cada trabalhador norte-americano equivale a cinco profissionais brasileiros. De acordo com a reportagem da revista brasileira, um trabalhador brasileiro gera, aproximadamente 22 mil dólares de riqueza anualmente, enquanto o trabalhador americano gera 100 mil dólares –– diferença de 78 mil dólares.

Deixe um comentário