Dinheiro desviado no “Petrolão” foi usado para pagar prostitutas de luxo

Só em 2012, cerca de R$ 150 mil foram gastos com a contratação de garotas de programa. Dinheiro também servia para pagar por festas

De acordo com informações divulgadas pela “Folha de S. Paulo”, parte do dinheiro desviado da Petrobras através do esquema de corrupção que ficou conhecido como “Petrolão” foi usado por diretores da estatal e políticos para pagar por prostitutas de luxo — famosas de programas de TV, capas de revistas e passistas de escolas de samba, segundo o jornal. Somente em 2012, cerca de R$ 150 mil foram gastos com a contratação de garotas de programa.

Essas informações foram dadas pelos delatores Alberto Youssef e Rafael Angulo Lopes, emissário do doleiro. Eles explicaram ao Ministério Público (MP) e à Polícia Federal (PF) que os termos “artigo 162” e “Monik” usados nas planilhas de registro do esquema faziam referência a gastos com prostitutas de luxo. “Artigo 162” se referia especificamente ao endereço de uma cafetina conhecida como “Jô”, que agenciava os programas.

Existem várias anotações de R$ 5 mil e R$ 10 mil ligadas a essas expressões nos documentos analisados pela PF, mas, segundo os delatores, um programa poderia custar até R$ 20 mil. Ainda de acordo com os delatores, era comum que as prostitutas buscassem os pagamentos em dinheiro no escritório de Youssef.

Esse dinheiro cobria também festas com as garotas de programa. Segundo os delatores, em uma única festa, realizada no terraço de um hotel em São Paulo, foram gastos R$ 90 mil, principalmente com bebidas. A força-tarefa da Operação Lava Jato, porém, não utilizou essas informações, pois elas não alterariam a compreensão de que houve corrupção, já que não importa o destino do dinheiro, mas a forma como ele foi obtido.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Epaminondas

Ficou barato: Diretores de estatais e políticos ocupados com prostitutas causam muito menos danos sociais do que desempenhando a tarefa pública que lhes cabem.

Maria do Rosário emitirá nota pelo ato desumano e tentará resgatar as prostitutas do degradante serviço de ter que transar com um político.

Já Jean Willys exigirá cota para que michês também sejam beneficiados.

Já Malafaia dirá que melhor apenas prostituição hetero, conforme a Bíblia.