Diferente do País, Goiás admite mais profissionais que demite

Governador Caiado celebrou números e apontou que chegada de empresas têm sido maior que no mesmo período do ano passado, apesar dos temores de debandada

O governador Ronaldo Caiado (DEM) prestou contas, nesta quarta-feira, 24, sobre a geração de empregos formais em Goiás, no mês de março. Diferente do saldo negativo de 43.196 no País – foram registradas 1.216.177 admissões e 1.304.373 demissões no período, – o Estado teve um valor positivo de 2712 (48.397 contratações frente a 45.685 desligamentos).

Em números frios, Minas Gerais foi a campeã de geração de empregos, com 5.163 de saldo no mês. Porém, o governador lembrou que, proporcionalmente, Goiás foi o maior. “Temos 7 milhões de habitantes [6.921.161] e Minas 21 mi [21.040.662]”, apontou ele ao dizer que, na taxa de criação de cargos por 100 mil habitantes os goianos tiveram média de 39,2 contra 24,5 dos mineiros.

Centro-Oeste

Caiado também mostrou que Goiás foi o que mais gerou empregos no Centro-Oeste no primeiro trimestre desse ano. “Foram 14.266”, indicou por meio de relatório. Os outros foram: Mato Grosso do Sul, 10.570; Mato Grosso, 8.863; e Distrito Federal, 4.936.

Inclusive, ele aproveitou sua fala para rebater críticas anteriores sobre empresários que deixariam o Estado em sua gestão. Conforme explicitado, houve um implemento de 28% no número de aberturas de empresas de janeiro a março deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado: 2616 contra 2043.

“Todos os empresários estão avaliando, neste momento, uma perspectiva real de crescimento e o local onde eles vão investir. É um ponto em que todos estavam desativados e hoje tem-se uma esperança enorme, e nós compartilhamos dela, do crescimento e do potencial que tem o Estado de Goiás. Tanto é que o governo demonstrou que está em sintonia com o que a sociedade deseja”, apontou o governador e citou de forma destacada o compromisso com a transparência.

Descentralização

Ele também afirmou que a utilização de créditos não será direcionada A ou B. Inclusive, durante sua apresentação, Caiado apontou que o Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste (FCO) já teve R$ 566 milhões investidos nos setores do Agronegócio, Indústria, Comércio e Serviços, abrangendo 233, dos 246, municípios.

“Trata-se de uma ação bem mais ampla, dando espaço ao pequeno e médio empresário. Ao microempresário. Essa pulverização foi o caminho que nós sabíamos que iríamos da certo”, afirmou sobre a geração de empregos e combate as desigualdades regionais.

Mais empresas

Para o secretário de Indústria e Comércio, Wilder Moraes, o trabalho realizado desde o dia 1º de janeiro foi fundamental para os resultados verificados nesta terça. “Fizemos um trabalho intenso com a parceria dos deputados e prefeitos. E com o surgimento da secretaria de Indústria e Comércio, nós abrimos um campo para as empresas, para que os empresários tenham com quem falar”.

Ele explica que, hoje, a pasta tem superintendências em todos os segmentos: mineração, indústria e comércio, serviços e mais… “Com certeza os números ainda vão vir melhores no segundo semestre”, disse e relembrou: “Nós assinamos com 27 empresas que vão se instalar em 21 cidades, gerando 15 mil empregos diretos e indiretos. Estas vão começar a gerar emprego no segundo e terceiro trimestre deste ano”.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Michele Amorim

Mas os comissionados do Tce, precisam ser exonerados concorda governador?

Nayara Dantas

No serviço publico estadual esta em calamidade. Não tem como manter os salários de marajas dos comissionados desse Tce. Exonerá -los é questão de justiça e de ajustar a folha. Pedimos o afastamento de TODOS.

Nayara Dantas

Essa demissão dos comissionados do Tce, esta uma incógnita. Foi promessa do Caiado de campanha, todos queremos essas demissões e não realizam. Tem q ter pulso.

Nayara Dantas

Kd os comissionados do Tce, q o senhor Caiado não demite?