*Colaborou Thiago Burigato

Órgão sustenta que demora no início da medida, determinada pelo Denatran e a qual o Estado é o último a se adequar, se deve a questões administrativas

Alvo de pesadas críticas por parte do deputado federal e candidato ao Senado Ronaldo Caiado (DEM), o Departamento Estadual de Trânsito de Goiás (Detran-GO) enviou, por meio de sua assessoria de imprensa, respostas feitas à reportagem quanto aos valores dos reemplacamentos veiculares cujo montante a ser arrecadado pelo órgão, segundo o democrata, iriam ser usados pela campanha de reeleição do governador Marconi Perillo (PSDB) por meio de caixa 2. Após a denúncia do senadoriável que integra a chapa encabeçada por Iris Rezende, o próprio vice-governador José Eliton (PP) convocou a imprensa goiana a fim de rebater as informações do adversário da chapa marconista, tendo anunciado na ocasião que a coligação Garantia de um futuro melhor para Goiás o interpelaria judicialmente para que provasse as denúncias. Na última quinta-feira (18) Caiado, em entrevista ao Jornal Opção Online, manteve o tom das críticas referentes ao Detran e disse que a possível interpelação seria uma inversão de valores.

[relacionadas artigos=”10185,10166,10149″]

Seguem as respostas do Detran-GO:

Por que Goiás foi o último Estado a implantar o reemplacamento?
A portaria 272 do Denatran que estabelece a obrigatoriedade de implantação do Lacre Rastreável é de 2007. Quando a atual administração assumiu o Detran teve que prepará-lo tecnologicamente para efetuar o serviço. O novo sistema de TI foi licitado em abril de 2013. Só neste ano, o sistema foi implantado.

O deputado federal Ronaldo Caiado alegou que o departamento de trânsito prevê o custo de R$ 170 para o reemplacamento. Essa informação procede? Quais são os custos?
O valor fixado é de R$ 170 para jogo de placas de carros e R$ 135 para motos. Desse valor, R$ 5 será repassado ao Detran e o restante dividido entre os prestadores envolvidos nas cinco etapas (fabricação dos blanks (matéria-prima), fabricação de lacre, distribuição dos blanks, fornecimento dos programas de TI e empresas de estampagem).

E, por último, como está atualmente o processo de reemplacamento no Estado? Estava paralisado, voltou a funcionar?
O emplacamento com o novo modelo de placa nunca paralisou. Vem sendo feito de maneira contínua desde o dia 10 de abril.
Nos últimos dias, houve alguns veículos que divulgaram informação errada.
Queremos deixar claro que:
1- O novo modelo de placa começou a ser utilizado em casos específicos como veículos novos, transferências, alteração de característica em abril. Esses casos estão mantidos.
2 – O Detran estava se preparando para chamar os proprietários de veículos a começar pela placa final 6, que vence em agosto, para trocar a placa. Mas em uma fiscalização recente percebeu-se que as empresas credenciadas não tinham postos em quantidade suficiente para prestar um bom serviço. Então, na manhã do dia 15 de julho, o presidente do Detran resolveu adiar (e não suspender ) esse chamamento.
3 – O novo modelo de placa não foi suspenso – até mesmo porque se trata de uma norma nacional e o Detran não tem autonomia para tanto.