Desemprego e informalidade afetam mais negros que brancos no Brasil, revela IBGE

Divulgada nesta sexta-feira (15/12), pesquisa síntese de indicadores sociais (SIS) mostra que discrepância entre raças persiste 

A população negra é a que mais sofre com a pobreza, o desemprego e a informalidade no Brasil. É o que constatou o mais recente estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgado na manhã desta sexta-feira (15/12).

Segundo dados da síntese de indicadores sociais (SIS), entre os 10% dos brasileiros com os menores salários, 78,5% são pretos ou pardos. Por outro lado, apenas 24,8% dos que recebem os maiores rendimentos não são brancos.

A pesquisa do instituto analisou diversos indicadores relacionados à mobilidade social, emprego, renda e educação referentes ao ano de 2016 — ápice da crise econômica pela qual o País passa.

Uma das principais constatações é que, mesmo compondo 54% da população brasileira em idade de trabalhar, os negros somavam 62,6% dos desocupados. Além disso, enquanto 58,7% dos brancos estavam empregados em 2016, o índice era de 55,2% para pretos e pardos no mesmo período.

Também há discrepância pela raça quando se analisam os dados referentes à informalidade. Em termos percentuais, os trabalhadores formais representaram 61,2% em 2016, enquanto os informais atingiram 38,8%.

Pela definição da Organização Internacional do Trabalho (OIT), o trabalho formal inclui empregados e trabalhadores domésticos com carteira de trabalho assinada e militares ou funcionários públicos estatutários, além de trabalhadores por conta própria e empregadores que contribuíam para a previdência social.

Os dados do IBGE mostram que havia maior participação em trabalhos formais da população ocupada branca (68,6%) do que entre pretos ou pardos (54,6%). Já a proporção de trabalhadores negros sem carteira (21,8%) era maior do que a de brancos (14,7%).

Escolaridade

A síntese de indicadores sociais identificou ainda que, entre os trabalhadores pretos ou pardos, 34,7% não tinham instrução ou tinham ensino fundamental incompleto. O percentual para brancos foi de 21,2%.

Os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua) mostram que os empregados com vínculo formal de trabalho representavam 50,7% da população ocupada em 2012. Esse percentual caiu ao menor nível da série em 2016, quando chegou a 49,8%. Já o percentual de empregados sem carteira caiu até 2015 (17,9%) e subiu em 2016 (18,5%) e o dos trabalhadores por conta própria cresceu de 2012 (22,9%) para 2016 (24,7%).

2
Deixe um comentário

1 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
Eduarda

“Quanta obsessão racista da mídia mesmo”… evidente a distorção que fazem… Chega a ser patética… “tribunal racial em pleno século XXI”… Estudo para concurso público e os dois mais inteligentes da sala são dois ´´pretos´´ negros! Enquanto muitos brancos estão lá e não chegam aos pés! Cor não quer dizer nada… foco! esforço! e dedicação sim, é o que faz a diferença entre preto, branco, pardo, indígenas… a mídia é fascinada em menosprezá-los… a questão racial é igual politica, a imprensa induz é os papagaios repetem tudo que ouvem sem nenhuma base Aff… Vários pretos conseguiram passar em concurso público… Leia mais

Jefferson Santos de Souza

BELO COMENTÁRIO, FALOU TUDO!
PENSEI Q O JORNAL OPÇÃO ERA DIFERENTE, ME ENGANEI!