Deputados protocolam ação na PGR contra Bolsonaro por racismo

Benedita da Silva, do PT, protocolou pedido de investigação contra o militar após ele dizer que negros em quilombos “não servem nem para procriar”

Os deputados petistas Erika Kokai, Paulão, Maria do Rosário e Benedita da Silva | Foto: reprodução/ vídeo

Um grupo de deputados federais, liderados pela petista Benedita da Silva (RJ), protocolou, na tarde desta quinta-feira (6/4), uma ação na Procuradoria Geral da República (PGR) contra o também deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) pelo crime de racismo.

Em uma palestra na capital fluminense na última terça-feira (4/4), o militar e pré-candidato à Presidência criticou duramente as demarcações de terras indígenas e os quilombos brasileiros. Ao falar de sua visita a um, Bolsonaro disse que o “afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas” e que “não fazem nada”: “Acho que nem para procriador ele serve mais.”

As declarações causaram polêmica nas redes sociais e culminaram em notas de repúdio de entidades representativas. Em vídeo filmado na porta da PGR e postado nas redes sociais, Benedita da Silva, que foi a primeira governadora negra Brasil, lamentou a postura do militar.

“Estamos todos tocados no Rio de Janeiro. A prática do racismo é crime inafiançavel, queremos justiça. Há uma mobilização nacional: não podemos deixar para lá. Não é a primeira vez que ele faz esse tipo de comentário… Nós somos bandidos, marginais, porque defendemos direitos humanos. Infelizmente, ele não gosta da gente negra, LGBT, mulheres. Pensa que é um deus, mas não é. A força do povo é maior”, disse.

Segundo a petista e seu advogado, ao dizer que o peso de negros é medido em arroba, chamá-los de imprestáveis e que não serviriam nem para “procriador”, Bolsonaro claramente cometeu o crime de racismo — que é inafiançável e não passível da imunidade parlamentar. “Não voltaremos à senzala, não aceitaremos o senhorzinho feudal achar que a escravidão ainda existe”, asseverou ela.

Também estiveram na PGR, o presidente e a vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal, Paulão (PT-AL) e Erika Kokay (PT-DF), bem como a deputada petista Maria do Rosário (RS).

Caso o Ministério Público Federal acate o pedido e abra investigação contra o deputado do PSC, ele deve ser denunciado ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Veja o vídeo:

Não é o primeiro

Sempre polêmico e considerado um dos líderes da nova direita extremista brasileira, Bolsonaro é réu no STF, acusado de incitação ao crime de estupro e por injúria, após ter afirmado, durante entrevista, que só não estupraria Maria do Rosário porque ela “não merecia”.

 

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.