Deputado quer tornar obrigatória fiação subterrânea em cidades goianas

Bruno Peixoto apresentou projeto para obrigar prefeituras de municípios com mais de 300 mil habitantes e empresas a enterrar fios  

Bruno Peixoto na Assembleia Legislativa | Foto: Ruber Couto

O deputado estadual Bruno Peixoto (PMDB) apresentou projeto de lei que propõe tornar obrigatório o cabeamento subterrâneo em municípios goianos com população superior a 300 mil habitantes.

Aprovado preliminarmente em plenário, a propositura segue para discussão e aprovação na Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ). Segundo o projeto, todos os fios “aéreos”, incluindo de energia elétrica e telefone, devem ser “enterrados”.

O parlamentar argumenta que a questão de fios pendurados nos postes de rede elétrica há tempos extrapolou o âmbito da estética e da poluição visual para se apresentar como ameaça real à integridade das pessoas.

“Infelizmente, tem sido comum o relato de tragédias ligadas a eventos ocorridos em postes e fios de alta e baixa tensão decorrentes de fatores como acidentes em que fios soltos podem ser fatais ao atingir pedestres ou automóveis, quedas de árvores ou meros desprendimentos ocasionados pelo vento”, defende.

Segundo ele, o processo de compartilhamento de postes para instalação de cabeamento tem se tornado crítico diante do excessivo acúmulo do emaranhado de cabos. E classifica a situação como grave, porque muitas vezes alguns postes podem apresentar fios afrouxados de tal modo a ficarem no mesmo nível dos pedestres das vias e passeios, oferecendo grande risco.

“Considerando a evolução das tecnologias, não é surpresa, nem fato de difícil constatação, sendo certo que a fiação subterrânea ainda que mais onerosa quando da instalação, tem uma manutenção muito mais barata, sem contar outros tantos benefícios a curto, médio e longo prazo”, afirma.

Bruno Peixoto defende que os municípios que adotarem a medida vão eliminar a fiação aérea, além de alcançar a redução da poluição visual nas ruas, terão valorização dos imóveis, a melhoria na paisagem urbana e a possibilidade de uma arborização plena em todas as ruas, com a manutenção integral da copa das árvores.

“Cabe destacar que as vantagens da rede subterrânea são a confiabilidade do sistema, a segurança ao cidadão e o impacto visual que a eliminação dos fios causa na paisagem urbana. A rede elétrica subterrânea está a salvo de interferência climáticas, como chuva e ventos, os grandes causadores de desligamentos na rede, principalmente em nosso Estado”, concluiu.

Caso o projeto seja aprovado, apenas três cidades devem ser impactadas: Goiânia, Aparecida de Goiânia e Anápolis.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Anthony Kelper

Há vantagens na mudança da rede aérea para subterrânea, porém devido aos custos, tanto de obras civis, quanto de equipamentos, as concessionárias têm recusado fortemente esta ideia. Por outro lado, há um problema grave com as redes subterrâneas no país, qual seja, a arquitetura “queima-livre” (a de custo mais baixo, porém, por sobrecarregar os cabos, promove riscos à população com os eventos de fogo, fumaça e explosão). No Rio de Janeiro, apesar de diversas “medidas”, o problema continua, inclusive resultando em vítima fatal no evento de setembro de 2016 – a atriz Aline Pais. O especialista eng. Estellito Rangel Jr.… Leia mais