Dengue: Secretaria Municipal de Saúde fiscaliza mais de 260 mil locais

SMS realizou ações para controle do mosquito transmissor para diminuir os 62.832 episódios das doenças notificadas na capital entre janeiro e junho

Foto: Claudio Fachel/ Palácio Piratinil

Foto: Claudio Fachel/ Palácio Piratinil

Os agentes de endemias da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) realizaram 265 mil visitas no primeiro semestre de 2015 em residências da capital. Em junho, a pasta registrou um decréscimo no registro de casos de dengue, segundo dados da Vigilância Epidemiológica. Para diminuir os 62.832 episódios das doenças notificadas, a secretaria realizou ativamente ações para controle do mosquito transmissor, o Aedes aegypti.

A SMS divulgou no mês de junho mais uma edição do Levantamento Rápido de Índice de Infestação Predial (LIRAa). O departamento de Vigilância e Controle em Zoonoses avaliou 5% dos imóveis da capital para averiguar qual o índice de infestação dos mosquitos. O Lira mostrou que os tipos de criadouro de maior incidência são os depósitos de armazenamento de água, como barris e tonéis (cerca de 26%), pequenos depósitos de água, como baldes (18,2%), e depósitos fixos, dentre eles ralos e vasos sanitários (cerca de 31%).

O órgão também desenvolveu ações de educação e mobilização social. A superintendente de Vigilância em Saúde da secretaria, Flúvia Amorim, orienta que a ação conjunta do poder público e dos cidadãos para impedir o avanço da dengue é fundamental, já que, diante da epidemia, a prevenção ainda é a opção mais segura e eficiente. Durante todo o período, foram realizadas 515 palestras, 148 teatros e oito mutirões recreativos. A prefeitura montou 68 estandes explicativos sobre o ciclo do mosquito transmissor da dengue.

Ações
Foto: Prefeitura de Goiânia

Foto: Prefeitura de Goiânia

Em janeiro, a prefeitura fez o primeiro Levantamento Rápido de Índice de Infestação Predial (LIRAa) para mapear as áreas de maior risco de proliferação do vetor durante o período chuvoso. A pesquisa é realizada cinco vezes ao ano. Aliado a isso, reforçaram a fiscalização no semestre atividades de Volta às Aulas sem Dengue, vistoria de canteiros de obras e inspeção de estabelecimentos residenciais e comerciais. O mês de janeiro contou com 33 mil imóveis inspecionados.

Em fevereiro foram adotadas novas estratégias para agilizar o atendimento e diminuir complicações relacionadas à doença nas unidades de saúde municipais. Março foi marcado pela Operação Cata Pneus, onde a coleta desses materiais descartados e mal armazenados somaram 25.600. Unidades de ensino também foram o destino de ação de conscientização com a campanha Goiânia Vencendo a Dengue e a Chikungunya.

Em algumas regiões pelas quais em que a ação passou, como nos Distritos Sanitários (DS) Sul e Noroeste, houve diminuição de até 50% dos casos de dengue De acordo com a SMS, especialmente em razão da população local ter continuado as mobilizações  e o combate à doença mesmo após as forças-tarefa: foram nove no total.

Dezesseis dos bairros com maiores registros de casos de dengue foram atendidos com roçagem de lotes baldios, remoção de entulhos, limpeza de bocas de lobo, visitas orientadas e fiscalização do ambiente.

Imóveis fechados

Uma das maiores dificuldades relatadas pela Secretaria de Saúde da capital é encontrar donos de imóveis fechados que possam ter possíveis criadouros da dengue e chikungunya. Por isso, em maio, o Departamento de Vigilância e Controle de Zoonoses da SMS visitou esses locais. Os agentes tiveram o apoio de chaveiros profissionais e da Polícia Militar, que garantiu a segurança dos agentes de endemias.

O relatório aponta que 136 casas abandonadas, e 50,5% destas apresentaram focos do mosquito da dengue. Cerca de 20% dos criadouros foram encontrados em vasos sanitários; 17% em material descartável; 15% em ralos; 7% em pneus; 6,4% latas e 5,7% em piscinas. Os prédios foram abertos com a autorização do Poder Judiciário e, após a inspeção, foram fechados.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.