Defesa de Demóstenes protocola reclamação contra Senado no STF

Objetivo é garantir elegibilidade do ex-senador para a eleição de 2018

Foi protocolada, nesta quinta-feira (1º/3), no Supremo Tribunal Federal (STF), uma reclamação contra o Senado Federal pela omissão na análise do pedido para reverter a cassação do ex-senador Demóstenes Torres (PTB-GO).

Segundo a defesa do ex-parlamentar, o intuito é garantir o direito de retomar o mandato de senador e ter de volta a elegibilidade para poder disputar as eleições de 2018.

Até agora, Demóstenes já venceu em todas as instâncias da Justiça e o próprio STF decretou por unanimidade nos votos a ilegalidade das provas coletadas contra ele nas operações Monte Carlo e Vegas.

Em julho do ano passado, a defesa entrou com petição no Senado pela retomada do mandato, mas sem sucesso. Em dezembro, houve nova tentativa, desta vez estabelecendo 28 de fevereiro de 2018 como prazo final para a análise do caso. Como não houve apreciação, a defesa decidiu recorrer ao STF.

“A Justiça já se posicionou sobre a inocência de Demóstenes e após todos esses anos ficou evidente que as operações Vegas e Monte Carlo foram ilegais e os vazamentos criminosos dos áudios tiveram como único objetivo cometer um atentado político contra um nome que despontava como uma liderança importante da oposição ao governo petista”, afirma o advogado Pedro Paulo de Medeiros, um dos responsáveis pela defesa de Demóstenes.

2
Deixe um comentário

2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
ziro

É mais um exemplo que não dá para confiar no poder judiciário brasileiro, que aliás, não justifica seus altíssimos custos a sociedade, hipersalários e mordomias as custas de uma das maiores cargas tributárias do planeta que causa desemprego na iniciativa privada e péssimos serviços públicos como educação e saúde. Este poder deve passar por uma profunda reforma no sentido de que magistrado não é monarca, não deve ter vida de rei as custas do povo, mais sim servidor público, um trabalhador que deve respeitar o dinheiro público.

Almir Ferraz de Oliveira

Alguem pode me explicar sobre a cassação do mandado do nobre senador, pois precisam explicar:
1. Ele é inocente porque o crime cometido não foi apurado dentro da lei? ou
2. É inocente porque o crime cometido não é crime? ou
3. O crime cometido não é suficiente para ter mandato cassado?
Não dá para entender essa unanimidade pela sua inocência. A mesma pela sua cassação na época.