“Daqui a 4 anos teremos uma nova eleição, temos que garantir a instituições”, discursa Haddad

Petista falou em São Paulo após anúncio da eleição de Jair Bolsonaro para Presidência

Marcelo Camargo/Agência Brasil/Agência Brasil

Fernando Haddad (PT) falou pela primeira vez após ser derrotado por Jair Bolsonaro (PSL), na disputa da Presidência, em São Paulo, ao lado da candidata a vice Manuela D’Ávila, a mulher e o candidato pelo PSOL Guilherme Boulos . “Em primeiro lugar, gostaria de agradecer meus antepassados. Aprendi com eles o valor da coragem para defender a justiça a qualquer preço”, disse neste domingo (28/10).

Segundo o petista, a coragem é um valor muito grande. “Todos os demais valores dependem dela”, afirmou, antes de agradecer aos partidos que o apoiaram, a militância.

“Nós temos uma tarefa enorme no país, que é, em nome da democracia, defender o pensamento, as liberdades desses 45 milhões de brasileiros que nos acompanharam. Temos a responsabilidade de fazer uma oposição colocando os interesses nacionais acima de tudo. Temos um compromisso com a prosperidade desse país”, discursou.

Segundo o ex-prefeito de São Paulo, “vivemos um período em que as instituições são colocadas à prova a todo instante”.” A começar por 2016, quando tivemos o afastamento da presidente Dilma. Depois, a prisão injusta do presidente Lula. Mas nós seguimos”, disse.

“Vamos continuar nossa caminhada, conversando com as pessoas, nos reconectando com as bases, nos reconectando com os pobres desse país. Daqui a quatro anos teremos uma nova eleição, temos que garantir a instituições”, finalizou.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Carlos Spindula

Interessante, a MARIONETE perde, não reconhece a derrota, não assume erros, não deseja boa sorte ao vencedor em nome do BRASIL, e o belicoso é o BOLSONARO ? Pras esquerdas não interessa os fatos reais e sim a narrativa, como insistir nessa estória do “golpe” e do “Lula inocente”.