Daniel Vilela diz que doações da JBS foram legais e a pedido de Júnior Friboi

Deputado federal conta que valor recebido em 2014 se deu pela relação política com o ex-sócio da empresa

Deputado federal Daniel Vilela em entrevista ao Jornal Opção | Foto: Fernando Leite

Presidente do PMDB Goiás, o deputado federal Daniel Vilela disse ao Jornal Opção que as doações recebidas da JBS para sua campanha de 2014 foram devidamente declaradas e aprovas pela Justiça Eleitoral.

Segundo ele, os R$ 250 mil indicados pelos diretor da empresa, Ricardo Saud, em delação premiada constam na prestação de contas apresentadas ao TSE. “É preciso que seja feita essa diferenciação, como os próprios delatores fizeram. A maioria é em propina, caixa dois e com contrapartidas, mas existe sim uma parte que é de doações legais”, alertou.

De licença médica após ter sido submetido a uma cirurgia para tratar uma hérnia de disco, o deputado se disse “extremamente tranquilo” com as citações, porque o que recebeu da JBS se deu pela relação política que tinha com o ex-sócio e ex-pré-candidato pelo PMDB ao governo de Goiás em 2014, Júnior Friboi.

“Todos sabem que eu defendia a candidatura do Júnior. Eu e Pedro Chaves [também deputado federal pelo PMDB] recebemos doações a pedido dele. Não teve nenhuma outra razão para a doação a não ser a relação política que eu criei com Júnior na campanha”, sentenciou.

Inclusive, Daniel Vilela relatou o dia em que Júnior Friboi ligou para Ricardo Saud para pedir a doação à campanha do então candidato a deputado federal. “Estávamos no carro dele quando ligou para o diretor. Ficou uma meia hora tentando convencê-lo a fazer a doação. Não conheço Joesley, não conheço Wesley, nem Saud. Nada que recebi foi ilícito”, reafirmou.

 

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.