Cunha condena decisão do PMDB de aceitar mais ministérios

Em Goiânia, presidente da Câmara garantiu que não participou de negociações com governo federal: “Meu posicionamento é de deixar a base”

Eduardo Cunha participa do fórum, em Goiânia, ao lado do governador Marconi Perillo

Eduardo Cunha participa do fórum, em Goiânia, ao lado do governador Marconi Perillo

O presidente da Câmara Federal, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), condenou a decisão de seu partido de aceitar mais ministérios do governo federal. Em entrevista coletiva concedida na manhã desta sexta-feira (25/9) em Goiânia, o peemedebista garantiu que “desconhece” qualquer negociação com a presidente Dilma Rousseff (PT) no sentido de indicar nomes para pastas da União.

Na tentativa de aprovar as novas medidas de ajuste fiscal anunciadas na última semana — como a criação de uma nova CPMF –, o Planalto estaria negociando com lideranças do PMDB na Câmara e no Senado. Para tanto, Dilma teria oferecido ministérios a seu principal aliado. Os nomes seriam indicados por deputados federais e senadores.

Cunha, no entanto, ressaltou que não participou de tais conversas e foi além: “Não concordo e, da minha parte, não tem nenhum apoio”. Segundo o presidente da Câmara — que faz parte da oposição –, o PMDB “não precisa de mais ministérios para defender a governabilidade”. “Aliás, qualquer partido que depende disso já está de uma certa forma descomprometido com a realidade do País”, completou. Para ele, o o governo federal deveria ter convidado os aliados para “discutir a formulação de políticas públicas e econômicas” que estão sendo implementadas.

Sendo assim, o peemedebista segue determinado em convencer os correligionários a romperem com o PT. “Meu posicionamento foi de sair da base do governo e defenderei isso nas convenções do PMDB, que devem ocorrer em novembro, de sair da base”, concluiu.

Impeachment

No que diz respeito a um possível afastamento da presidente Dilma Rousseff, Eduardo Cunha se limitou a dizer que não cabe a ele apresentar tal proposta. “Me cabe, dentro da Constituição e do Estatuto da Câmara, decidir sobre o prosseguimento, ou não, de um eventual pedido”, sustentou.

Ainda na última quinta-feira (24), o presidente leu, em Plentário, o rito que será seguido — previsto no regimento — e os procedimentos acerca de um processo de impeachment.

O presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, está em Goiânia à convite do Grupo de Líderes Empresariais (Lide) para participar do 1º Fórum de Cidadania e Segurança Pública, realizado no Hotel Mercure. Após o evento, ele comanda mais uma edição do Câmara Itinerante, na Assembleia Legislativa de Goiás (Alego). (O áudio foi cedido pela jornalista Mirelle Irene)

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.