Critério de nomeações de reitores sem votos levam a saída de cinco universidades da associação de dirigentes

A saída foi comunicada no fim de julho, em uma carta enviada ao então presidente da Andifes, Edward Madureira, reitor da Universidade Federal de Goiás (UFG)

Universidade Federal de Goiás | Foto: divulgação

Cinco reitorias já deixaram a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), depois que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), contrariou  a tradição e nomeou 18 reitores que não venceram as consultas realizadas nas universidades federais. A entidade que, entre outras ações, negocia com o governo o orçamento e a ampliação de vagas da rede.

A saída foi comunicada no fim de julho, em uma carta enviada por José Cândido de Albuquerque, reitor da Universidade Federal do Ceará (UFC), ao então presidente da Andifes, Edward Madureira, reitor da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Segundo O Globo, também estão citadas nos documentos, como signatárias, as universidades federais do Rio Grande do Sul (UFRGS), dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), de Itajubá (Unifei) e a Rural do Semi-Árido (Ufersa). Todas tiveram reitores nomeados por Bolsonaro que não venceram a consulta em suas instituições.

Os reitores dizem na carta, que tentaram se aproximar da entidade, mas não se sentiram “aceitos e acolhidos, quer pelo fato de que não fomos os ‘primeiros da lista tríplice’, como também por não nos portarmos, publicamente, hostis ao atual governo federal”. O Conselho Universitário da UFRGS, no entanto, decidiu que a universidade deve permanecer na Andifes, mas a reitoria já não fez o repasse à associação.

De acordo com a Andifes, o presidente nomeou reitores de 50 universidades federais desde o começo o mandato. Os 18 escolhidos que não venceram a lista tríplice representam 36% das nomeações. Outros 13 terminarão o mandato até novembro de 2022. A lei da escolha dos reitores diz que o presidente pode definir qualquer candidato enviado pelas instituições de ensino.

*Com informações do O Globo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.