CPI da Covid ouve coronel citado em depoimentos sobre propina

Marcelo Blanco da Costa participou de jantar onde teria sido feita a proposta na comercialização de doses de vacina contra a Covid-19

Coronel Marcelo Blanco | Foto: Najara Araujo / Câmara dos Deputados

A CPI da Covid ouve nesta quarta-feira, 4, o tenente-coronel da reserva Marcelo Blanco da Costa, ex-assessor do departamento de Logística do Ministério da Saúde. Ele foi convocado, após ter participado de jantar no qual teria havido um pedido de propina de US$ 1 em troca da aquisição da vacina AstraZeneca.

Segundo indica as investigações, o encontro foi revelado pelo policial militar Luiz Paulo Dominghetti e ocorreu no dia 25 de fevereiro deste ano em um restaurante em Brasília.  Na CPI, Dominghetti, que se apresenta como um vendedor de vacina por intermédio da empresa Davati, afirmou que Marcelo Blanco foi quem o levou para o jantar.

A oitiva do coronel da reserva é considerada essencial pelos senadores da CPI nas investigações sobre as tratativas do governo brasileiro com empresas intermediárias de vacinas. A comissão também apura se havia uma disputa interna dentro do Ministério da Saúde entre o núcleo militar e o político, e se houve choque durante as negociações de vacinas.

Para o depoimento desta manhã, Blanco obteve no Supremo Tribunal Federal (STF) o direito a ficar em silêncio diante de perguntas que possam incriminá-lo. Ele, porém, deve dizer a verdade em relação aos fatos dos quais foi testemunha.

*Com informações do G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.