CPI da Covid: em seu relatório final, Bolsonaro é indiciado por nove crimes

Além de Bolsonaro, outras 78 pessoas e duas empresas também receberam indiciamento

Após seis meses de investigação, a CPI da Covid emitiu seu relatório final, aprovado pelos senadores, com 1.289 mil páginas, que acusa o presidente Jair Bolsonaro de cometer nove crimes. Além dele, outras 78 pessoas foram indiciadas além de duas empresas.

O relator do documento, Renan Calheiros, declarou que “o caos do governo Jair Bolsonaro entrará para a história como o mais baixo degrau da indigência humana e civilizatória. Reúne o que há de mais rudimentar, infame e sombrio da humanidade”. Nas páginas do relatório final, eles acusam Bolsonaro de ser omisso a pandemia e propagar fake news de tratamentos ineficazes colaborando para a morte de milhares de brasileiros.

A CPI alega que há indícios de que o governo fez ações propositais e intencionais para expor os brasileiros ao vírus. Eles também citaram a demora e irregularidades para a compra de vacinas eficazes e omissão no colapso sanitário do Amazonas. A atuação de um “gabinete paralelo”, que auxiliaria o presidente no descaso com a pandemia, e os tratamentos providos pela Prevent Senior também foram relatados.

“Com esse comportamento, o governo federal, que tinha o dever legal de agir, assentiu com a morte de brasileiras e brasileiros”, afirma no texto o senador e relator Renan Calheiros. O relatório ainda solicita ao Google, Facebook e Twitter que forneçam os dados telemáticos de Bolsonaro, desde abril de 2020 e enviem para à Procuradoria Geral da República e ao Supremo Tribunal Federal.

Com base no relatório, uma medida cautelar foi enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF) com o pedido de que o presidente seja banido das redes sociais. A medida seria tomada por “proteção à população” contra fake news. Um requerimento que visa a quebra do sigilo telemático das redes sociais do chefe do Executivo também foi aprovado pelos membros da comissão.

Sendo assim, Bolsonaro está sendo indiciado pelos seguintes crimes: epidemia com resultado morte; infração de medida sanitária preventiva; charlatanismo; incitação ao crime; falsificação de documento particular; emprego irregular de verbas públicas; prevaricação; crimes contra a humanidade; crimes de responsabilidade (violação de direito social e incompatibilidade com dignidade, honra e decoro do cargo).

“Em tempos normais, seria apenas um exemplo de desprezível charlatanismo pseudocientífico. Contudo, em meio a uma pandemia global, colaborou para gerar uma monstruosa tragédia, na qual alguns milhares de brasileiros foram sacrificados”, disse o relator que também afirmou que Bolsonaro foi o principal responsável pela propagação da ideia de tratamento precoce” que tirou a vida de muitos.

As empresas que foram indiciadas, são a Precisa Medicamentos e VTCLog.

A comissão irá enviar uma cópia do relatório ao procurador-geral da República, Augusto Aras, nesta quarta-feira, 27. Ele que irá analisar os crimes atribuídos a Bolsonaro e suas responsabilidades.

Votaram a favor do relatório de Renan Calheiros (MDB-AL), o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), o vice, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), e os senadores Tasso Jereissati (PSDB-CE), Otto Alencar (PSD-BA), Humberto Costa (PT-PE) e Eduardo Braga (MDB-AM).

Votaram contra os governistas Marcos Rogério (DEM-RO), Eduardo Girão (Podemos-CE), Luis Carlos Heinze (PP-RS) e Jorginho Mello (PL-SC).

Uma resposta para “CPI da Covid: em seu relatório final, Bolsonaro é indiciado por nove crimes”

  1. Avatar Yuri Vieira disse:

    Uma CPI formada por criminosos quer incriminar o presidente de um país que sofreu um ataque biológico de um país estrangeiro. Haja paciência…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.