Corpo de jornalista goiana encontrado em hotel é velado

 

Foto: Rafael Branco

Foto: Rafael Branco

Suindara Coelho estava desaparecida desde sábado (26/4)

O corpo da jornalista e atriz Suindara Alexandre Coelho, de 36 anos, está sendo velado nesta segunda-feira (28/4) no Complexo Vale do Cerrado, em Goiânia, até as 17h, para em seguida ser cremado. A mulher foi encontrada já sem vida em um hotel na capital na tarde do último domingo (27/4). Ela estava desaparecida desde a manhã de sábado (26/4), quando saiu de casa enquanto sua mãe, de 63 anos, foi à farmácia.

Segundo os familiares, Suindara sofria de depressão. Ela deixou uma carta de despedida para a família e enviou uma mensagem para a mãe ainda no sábado, tendo sido este seu último contato. A mãe de Suindara tentou registrar o desaparecimento, mas foi informada que deveria esperar o período de 24h. A empresa de táxi que Suindara utilizou para chegar ao hotel afirmou que não poderia conceder nenhuma informação sem boletim de ocorrência. Foi então que parentes e amigos se mobilizaram para buscar informações do paradeiro de Suindara, ligando em hotéis e em outros locais perguntando sobre a atriz.

Suindara Alexandre trabalhou no Diário da Manhã em 2011, mas estava de licença médica para tratar da depressão.

2 respostas para “Corpo de jornalista goiana encontrado em hotel é velado”

  1. Avatar Márcio Costa Rodrigues disse:

    O
    caso de Suindara Alexandre Coelho me faz pensar quando o preconceito
    quanto as pessoas que apresentam este tipo de problema irá diminuir. Fui
    diagnosticado com bipolaridade, mas ninguém levanta os motivos que
    levaram ao desenvolvimento da doença. As pessoas parecem agir como se
    fossemos a uma prateleira e escolhessemos uma determinada enfermidade,
    como se fosse voluntário nosso comportamento.
    São
    doenças de difícil diagnóstico, às vezes, frequentemente médicos
    diferentes apresentam diagnósticos também diferentes. Pior, além disso
    são de difícil tratamento e nem todos, apesar de ostentarem seus títulos
    de filiados a sociedade brasileira de psiquiatria, ou ao CRP, estão
    capacitados para o tratamento. Apesar de prontamente cobrar para
    fazê-lo.
    Falo
    isso como paciente que levou 23 anos desde uma manifestação inicial da
    doença e o seu correto tratamento. Só para o diagnóstico “correto” foram
    20 anos, mais 3 para o tratamento adequado.
    Somos
    questionados: você não procurou ajuda, você não manteve o tratamento?
    Parece que o único que tem obrigações é o paciente. Afinal aqueles que
    lhe aplicam os tratamentos estão protegidos pelo direito discricionário,
    como me alertou um advogado.

    fui chamado do psicopata, demitido da Embrapa Amapá, ameaçado de
    prisão, internação, etc. Tratado como pessoa indesejável, ao qual
    deveria ser aplicada alguma solução. Isso eu sendo concursado e regido
    pela lei 8.112.
    Hoje
    vivo em Goiás, meu estado natal, mas como no Amapá não havia condições
    para tratamento e por eu ter sido qualificado como indesejável pela Sup.
    Federal de Agricultura do Amapá, estou privado do convivio familiar com
    minha esposa e filhas, pois minha esposa é servidora do governo do
    Amapá e não pode ser “transferida” para Goiás.
    Daqui a pouco eles vão pedir meu voto de novo. Como se diz nas redes sociais: kkkkkkkkkk

    Márcio Costa Rodrigues

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.