Conheça os 10 goianos mais polêmicos do mundo

Quem acha que Goiás só exporta duplas sertanejas (o que tem também), se engana. Estado conta com subcelebridades, médium e até um “Sub-Zero”. Veja lista

Zezé di Camargo, Vilma Martins, Leonardo Pareja e Nana Gouveia: muita polêmica | Fotos: reprodução / Instagram / Época

Zezé di Camargo, Vilma Martins, Leonardo Pareja e Nana Gouveia: muita polêmica | Fotos: reprodução / Instagram / Época

Há muito tempo que a imagem de um Goiás atrasado, com fazendas e habitantes indígenas não existe mais. O Estado, que “cresceu e apareceu” para o Brasil nos últimos anos, tem se destacado de várias maneiras nos noticiários nacionais e, também, internacionais.

Embora celeiro de duplas sertanejas, não é só na área musical que Goiás “alimenta” o Brasil. O Jornal Opção Online selecionou dez personalidades goianas que causaram reboliço na mídia e, principalmente, nas redes sociais.

Não há critérios específicos para a escolha dos “goianos mais polêmicos”, a não ser a premissa de que todos se tornaram famoso no Brasil, e, por vezes, no mundo. Seja por motivos absurdos, como a célebre Nana Gouveia durante o Furacão Sandy, em Nova York (veja abaixo), ou por motivos controversos, como o deputado federal João Campos (PSDB) e seu projeto da “Cura Gay”.

Vale destacar que não há qualquer ligação entre os escolhidos em si. A lista é apenas um compilado de goianos que figuraram (e até hoje figuram) nas manchetes dos principais jornais do País.

Confira:

Vilma Martins, a “mãe” do Pedrinho

Vilma e Pedrinho: mãe e filho sequestrado | Foto: Revista Istoé

Vilma e Pedrinho: mãe e filho sequestrado | Foto: Revista Época

Provavelmente um dos nomes de Goiás mais conhecidos no Brasil, Vilma Martins protagonizou uma história de novela — e que acabou virando, mesmo, uma novela — o Caso Pedrinho. Em 2002, uma denúncia no SOS Criança levou a polícia até o menino Pedro Junior Rosalino Braule Pinto, que foi roubado de uma maternidade em 1986 em Brasília.

A mãe de criação, a goiana Vilma Martins Costa, foi acusada de tê-lo sequestrado apenas 12 horas após o nascimento e novamente registrado como Osvaldo Borges Júnior. Ela o trouxe para Goiânia para ser criado com o então marido da acusada, Osvaldo Borges.

Claro que o caso ganhou repercussão nacional. A “mãe” de Pedrinho contou que o bebê teria sido entregue ao marido por um gari, mas as investigações apontaram que ela sequestrou não só o menino, mas outra criança, para tentar agradar os amantes.

À esquerda, Pedrinho com Vilma; à direita, com os pais biológicos | Fotos: reprodução / em.com.br

À esquerda, Pedrinho com Vilma; à direita, com os pais biológicos | Fotos: reprodução / em.com.br

Vilma Martins foi condenada a dez anos de prisão por ambos sequestros. Antes de Pedrinho, ela levou Aparecida Fernanda da antiga Maternidade de Maio, na capital goiana, e a registrou como filha biológica com o nome Roberta Jamilly.

Vilma e a filha, que também foi sequestrada, Roberta | Foto: Facebok

Vilma e a filha, que também foi sequestrada, Roberta | Foto: Facebook

Os advogados de defesa lutaram para evitar a condenação, mas não conseguiram porque Vilma apresentou depoimentos truncados, contraditórios e sem nexo. Metade da pena foi cumprida em regime fechado e semiaberto e a outra metade em liberdade condicional. Em julho de 2013, ela ganhou a liberdade e segue morando em Goiânia.

Após o caso ter sido esclarecido, Pedrinho decidiu se mudar para Brasília e morar com os pais biológicos, Jayro e Maria Auxiliadora Tapajós. Atualmente, ele é advogado, pós-graduado, casado e tem um filho. Ao contrário do irmão, Roberta Jamilly nunca deixou a casa em que cresceu com Vilma e segue sentindo-se filha biológica da sequestradora.

Leonardo Pareja, o bandido que parou Goiás

Leonardo Pareja: o bandido galã que humilhou as autoridades goianas | Foto: reprodução / documentário / Canal Brasil

Leonardo Pareja: o bandido galã que humilhou as autoridades goianas | Foto: reprodução / documentário / Canal Brasil

Quem tem menos de 30 anos provavelmente não deve saber quem foi Leonardo Pareja. No entanto, muito antes da “zoeira” tomar conta das redes sociais, o goiano — que é considerado um dos bandidos mais famosos do Brasil — já “tirava onda” na imprensa convencional.

Chamado de”midiopata”, Pareja virou uma espécie de subcelebridade dos anos 1990. Filho de pais de classe média-alta, dizem que ele estudou inglês, espanhol, piano e até programação de computador. Contudo, abandonou os estudos para virar… Bandido! Com boa aparência física, graças à prática de natação desde pequeno, ele quebrava o esteriótipo do criminoso pobre e sujo.

Capa da revista Veja

Capa da revista Veja

Tudo começou em setembro de 1995, quando ficou conhecido nacionalmente ao manter refém durante 60 horas ninguém menos que a sobrinha de 13 anos do então senador Antônio Carlos Magalhães (também conhecido como o dono da Bahia), em Feira de Santana. Após ter conseguido fugir, Pareja ficou insatisfeito com uma rádio local que noticiava o caso. Então, decidiu ligar para a rádio e fazer algumas “retificações”.

Uma matéria d’O Globo conta que o rapaz — que tinha pinta de galã — demonstrava tranquilidade e bom humor ao corrigir as informações. O locutor da rádio, segundo o jornal, teria dito ao sequestrador que ele ficara famoso na cidade, onde teria sido montado um fã clube em sua homenagem. “Pára com isso. Não quero essa fama toda”, teria respondido o goiano.

Mas foi só em 1996 que Leonardo Pareja atingiu seu ápice. E foi aqui em Goiás mesmo. Mais precisamente no maior presídio do Estado de Goiás, a penitenciária Odenir Guimarães (àquela época, Cepaigo). Ele liderou uma rebelião de seis dias, que resultou numa fuga hollywoodiana e na maior vergonha da carreira política do então governador Maguito Vilela (PMDB).

Um belo dia, no lançamento do programa Justiça Itinerante, uma turma de autoridades — entre elas os então PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE GOIÁS, Homero Sabino, e o SECRETÁRIO ESTADUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA, Antonio Lorenzo — decidiu se deslocar ao Cepaigo para fazer uma visita ao diretor presídio, à época Coronel Nicola Limonge. Foi então que os detentos decidiram fazer o que? Dar início a uma rebelião. E a uma das maiores da história do País.

Teria sido cômico, se não trágico: todo mundo feito refém. Promotores, juízes, delegados, diretores, funcionários, além, claro, do presidente do TJGO e o secretário de segurança.

Após o caos instaurado, quem assumiu o comando da rebelião? Ele mesmo! Leonardo Pareja. Em jogadas de mestre, Pareja conseguiu manter todos vivos, persuadiu os presos e tomou cabo de todas as negociações — que chegaram ao cúmulo do absurdo quando ele pediu que fosse gravado um “Você Decide”, aquele programa de televisão famoso dos anos 1990. A pergunta seria: “Você acha que o governador deve ceder às exigências e liberar os reféns? Ou manter os reféns em cativeiro?”.

Mas as peripécias de Pareja não terminam por aí. Durante a rebelião, ele e outro detento escalaram a caixa d’água do presído. Com a bandeira do Brasil hasteada e um violão em mãos, Pareja ofereceu uma rendição da música “Vida de Gado”, do cantor Zé Ramalho, lá do alto. A cena, claro, foi parar nas páginas de jornais do mundo todo.

Pareja canta "Vida de Gado": "Live at Cepaigo" | Foto: documentário

Pareja canta “Vida de Gado”: “Live at Cepaigo” | Foto: documentário

O final da rebelião foi cena de novela, com a fuga de vários presidiários em viaturas e carros de polícia. Pareja, claro, liderava o comboio, fazendo o desembargador Homero Sabino e seu filho de 20 anos reféns. Se você acha que este polêmico goiano pegou a BR-153 e desapareceu no mapa está errado.

Como se nada tivesse acontecido, passeou pelas ruas de Goiânia e chegou até a parar em um bar. Comprou cerveja e pagou uma rodada para quem estava no local. Teria sido cumprimentado por vários que o reconheceram. Só não tiraram selfies porque, à época, os celulares não possuíam câmeras.

Leonardo Pareja foi morto na próprio Cepaigo em dezembro de 1996, sob circunstâncias bem controversas.

Veja o documentário “Vida Bandida”, que conta a história do goiano:

Nana Gouvea, a modelo do desastre

Nana Gouveia e o desastre... Fotográfico | Fotos: reprodução / Instagram

Nana Gouvea e o desastre… Fotográfico | Fotos: reprodução / Instagram

A jataiense Nana Gouvea se tornou famosa e causou polêmica nas redes sociais. Isso porque, em 2012, decidiu mostrar os estragos causados pelo furacão Sandy — que assolou a costa leste dos Estados Unidos — em Nova York.

Nas fotos, que logo viralizaram e viraram motivo de chacota, Nana aparece em poses sensuais mostrando ruas da cidade americana, com árvores caídas, carros danificados e “retratando” o cenário de caos.

Apesar de ter negado a intenção de “sensualizar”, a goiana recebeu críticas on-line e também foi alvo de um programa CQC — da Band.

Nana, que mora nos Estados Unidos com o marido, é modelo e já participou de vários programas de televisão. Entre os destaques, foi titular da “Banheira do Gugu”, no Domingo Legal; participou da Casa dos Artistas; foi comentarista do carnaval brasileiro para a HBO; e fez novelas.

Lindomar, o Sub-Zero brasileiro

lindomarOK

Lindomar e a famosa foto da agressão contra a babá agressora | Foto: reprodução / vídeo

Em 2002, a babá Divina Leite foi flagrada espancando três crianças na casa em que trabalhava, em Aparecida de Goiânia. Após cenas em que aparece agredindo um bebê que estava no berço serem divulgadas em rede nacional, Divina causou repulsa em todo o País e causou a ira dos vizinhos.

Um deles é Lindomar, que ficou conhecido na internet como “Sub-Zero brasileiro” — em referência ao personagem Sub-Zero dos jogos de vídeo-game Mortal Kombat. Durante a gravação do Programa do Ratinho, os vizinhos de Divina a perseguem, gritando insultos e a agredindo.

Lindomar dá uma “voadeira” na babá e, à época, viralizou na internet.

Dhomini, duas vezes ex-BBB

Dhomini durante uma prova do BBB 3: quando foi campeão | Foto: reprodução / Rede Globo

Dhomini durante uma prova do BBB 3: quando foi campeão | Foto: reprodução / Rede Globo

O primeiro goiano a participar do Big Brother Brasil foi vitorioso. Dhomini cativou o público, se destacou com irreverência na terceira edição do BBB e levou o prêmio de R$ 500 mil. No entanto, não só de conquistas é feita a vida do ex-brother.

Na verdade, a lista de polêmicas envolvendo o também ex-cantor é bem longa. A começar de volta a 2003, quando engatou em um namoro com a apresentadora Sabrina Sato durante o programa global, mesmo sendo casado.

dhominivereador

Dhomini: de ex-BBB a candidato a vereador | Foto: reprodução

Já fora do BBB, vários boatos sobre Dhomini tomaram conta da mídia. Diziam que ele havia perdido todo o dinheiro do prêmio em maus negócios. Além disso, teria comprado uma Ferrari e dado “pt” (perda total) no carro em um acidente. Obviamente, tudo foi negado.

Em 2004, aproveitando a relativa fama conquistada, Dhomini decidiu que seria candidato a vereador de Goiânia. Saiu pelo finado Prona e obteve pouco mais de 2,2 mil votos, não sendo eleito, claro.

Mas o que mais prejudica este goiano é a língua. De volta ao BBB, na edição de 2013, ele caiu na bobeira de falar que deixou um cão banguela após acertar o animal com um machado. Resultado? Foi eliminado de sua segunda participação no reality.

E não foi só isso… Durante o programa, ele revelou que fez e vai continuar fazendo sexo com a mulher, Adriana Manata, na frente dos filhos. “Eu faço até hoje. O que as pessoas têm a ver com isso? O menino nasce e fica no berço, no quarto com a gente. Vocês acham que acontece o que? É assim que funciona”, explicou em uma entrevista.

Quando não está falando besteiras, Dhomini gosta de usar a voz para outro fim: cantar. Chegou a formar uma dupla que fez shows em alguns bares da capital, Dhoni & Dhomini.

Atualmente, ele continua morando em Goiânia e faz “stand up motivacional”. O que quer que seja isso…

Yuri Fernandes, também duas vezes ex-BBB

Yuri no BBB 12 | Foto: divulgação / Globo

Yuri no BBB 12 | Foto: divulgação / Globo

Na onda dos goianos no Big Brother, o empresário e lutador Yuri Fernandes também compõe nossa lista. Ele, diferentemente de Dhomini, não bateu em um animal, mas sim na namorada. Em setembro do ano passado chegou a ser preso e enquadrado na Lei Maria da Penha, após ter sido denunciado pela dançarina Angela Sousa.

De acordo com informações da polícia, os dois estavam em um hotel em Maceió (AL), quando engajaram em uma briga. Resultado: o casal foi parar na delegacia, fotos de hematomas se espalharam e o goiano atrás das grades — mas apenas por dois dias. Ele foi liberado após pagar fiança. No entanto, foi o suficiente para declarações como esta se espalherem pela mídia brasileira: “Yuri chorou muito e se mostrou arrependido”.

Participante do Big Brother Brasil 12, Yuri ficou famoso na casa por seu jeito “truculento” e por opiniões polêmicas. Criou confusão até com a namorada de confinamento, Laisa. Inclusive, protagonizou uma das cenas mais estranhas do reality, ao chorar copiosamente, cheirando a calcinha da moça após esta ter sido eliminada. Voltou no BBB 13, mas também foi eliminado.

Yuri é detido após ser enquadrado na Lei Maria da Penha | Foto: reprodução / Ailton Cru / EGO

Yuri é detido após ser enquadrado na Lei Maria da Penha | Foto: reprodução / Ailton Cru / EGO

Antes do BBB, o goiano também gostava de ser polêmico. Prova disso é o vídeo íntimo do lutador se masturbando que vazou na internet pouco antes dele entrar na casa.

João Campos, o autor da Cura Gay

Deputado João Campos: o autor da "Cura Gay" | Foto: George Gianni / PSDB

Deputado João Campos: o autor da “Cura Gay” | Foto: George Gianni / PSDB

O deputado federal e pastor João Campos (PSDB) ficou mundialmente conhecido em meados de 2013, quando apresentou na Câmara Federal um projeto que propunha a extinção de dois artigos de uma resolução de 1999 do Conselho Federal de Psicologia, relacionados à homossexualidade.

Um deles impede a atuação dos profissionais da psicologia para desenvolver tratamento a homossexuais. O outro proíbe qualquer ação coercitiva em favor de orientações não solicitadas pelo paciente e determina que psicólogos não se pronunciem publicamente de modo a reforçar preconceitos em relação à homossexualidade.

Apelidado de “Cura Gay”, o projeto, obviamente, gerou revolta entre psicólogos e na sociedade, pois, na prática, os profissionais da psicologia — caso a proposta tivesse sido aprovada — poderiam atuar em busca da suposta “cura” para a homossexualidade.

O goiano, acompanhado do relator do projeto, Marco Feliciano (PSC-SP), virou alvo de ataques nas redes sociais e até de colegas parlamentares, que repudiaram o projeto da “Cura Gay”. Pouco depois, por pressão social e do próprio PSDB, João Campos pediu retirada do projeto.

Zezé di Camargo, o filho pródigo de Francisco

Da época em que o Zezé ainda bombava no Instagram | Fotos: reprodução / Instagram

Da época em que o Zezé ainda bombava no Instagram | Fotos: reprodução / Instagram

Claro que a lista dos goianos mais polêmicos do mundo não poderia deixar de contar com um sertanejo. Mirosmar, o filho mais famoso de Francisco, é talvez o mais controverso dos cantores que saíram de Goiás.

Recentemente, ele se separou da mulher, Zilú, e não foi nada amigável. Além da disputa judicial, o pai de Wanessa acusou a ex-mulher de não ser alguém “do bem”, afirmando que ela segue blogueiros de fofoca, os quais chamou de “lixo”. As farpas não pararam por aí… Em entrevistas e nas redes sociais, ele sempre fazia questão de alfinetar Zilú — que chegou a ir a uma delegacia prestar queixa.

Como outros desta lista, o sertanejo, vira e mexe, é traído pelas palavras. Seja nas redes sociais — onde ele manda seguidores tomar naquele lugar e chama outros de “otário” — ou em entrevistas — como quando ele disse que “mulher feia merece ser chifrada” –, Zezé não tem papas na língua.

“Devolvo coice com coice”, afirmou ele a um portal de notícias.

No entanto, a maior polêmica envolvendo Zezé di Camargo é bem mais obscura. Há boatos de que, durante uma relação sexual com uma prostituta, ele teria fraturado o pênis e sido levado às pressas para um hospital de Goiânia. No entanto, nada foi confirmado.

Wolf Maya, ator e diretor

Wolf Maya durante sabatina: não pode errar a iluminação | Foto: site Wolf Maya

Wolf Maya durante sabatina: não pode errar a iluminação | Foto: site Wolf Maya

Muitos não sabem, mas este famoso diretor e ator global nasceu aqui, na Terra do Pequi. Walfredo Campos Maya Júnior, mais conhecido como Wolf Maya, entra na lista não por suas atuações em grandes novelas, como Barriga de Aluguel (1990), Senhora do Destino (2004) ou Fina Estampa (2011), nem tampouco por dirigir outros renomados folhetins, como Mulheres de Areia (1993), Senhora do Destino (2004) e Amor à Vida (2013).

Wolf Maya também falou demais.

Em 2011, ele foi condenado por injúria racial em primeira instância por ter ofendido Denivaldo Pereira da Silva, que trabalhava em uma prestadora de serviços de iluminação para uma peça dirigida pelo goiano. De acordo com o processo, Wolf Maya teria chamado o funcionário de “preto fedorento que saiu do esgoto com mal de Parkinson” após ter ficado furioso com um erro ao iluminar um ator durante a peça.

O caso ocorreu em 2000 e ficou famoso no Brasil todo. O goiano, claro, nega as acusações.

João de Deus, médium

João de Deus: mais de 10 milhões de pessoas atendidas | Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

João de Deus: mais de 10 milhões de pessoas atendidas | Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

Nenhum outro goiano desta lista tem tamanho reconhecimento internacional como João Teixeira de Farias — o João de Deus. O médium que comanda a Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, é, de longe, o goiano mais famoso do mundo.

E, com a fama, também vêm as polêmicas. Embora a maioria das pessoas que passam pelas chamadas “cirurgias espirituais” e entram em contato com John of God (como é chamado fora do país) deem testemunhos surpreendentes de fé e cura, há relatos sombrios sobre o que acontece na pequena cidade a 80 km de Goiânia.

O Jornal Opção publicou, em 2012, uma matéria mostrando que João de Deus é acusado de homicídio doloso. “Há uma investigação de 2003 pela morte do americano Javier Villa Real Bustus. De acordo com o processo, Javier teria abandonado o tratamento convencional que fazia contra aids para tratar com João de Deus e, mais tarde, veio a falecer no Hospital de Doenças Tropicais. Nesse processo, João de Deus está sendo investigado por homicídio doloso, com dolo eventual, ou culposo, quando não há intenção de matar”.

Além disso, as imagens das cirurgias feitas por João de Deus são fortes. Em frente a câmeras, ele corta as pessoas — com instrumentos cirúrgicos sem assepsia e com as mãos nuas — e retira o que chama de nódulos de qualquer parte do corpo. Em alguns vídeos ele chega a raspar os olhos de pessoas com uma faca de cozinha.

Vale destacar que, apesar do caso do norte-americano, no Tribunal de Justiça de Goiás não há processo contra João de Deus por exercício ilegal da medicina, nem por charlatanismo. Em Abadiânia há outro processo contra ele, mas corre em segredo de Justiça. Casos que envolvem a família, crianças e adolescentes e os crimes sexuais têm esse tratamento.

Momentos na Casa de Dom Inácio: curas dividem opinião | Fotos: Fernando Leite / Jornal Opção

Momentos na Casa de Dom Inácio: curas dividem opinião | Fotos: Fernando Leite / Jornal Opção

Ainda em 2012, coincidentemente, uma reportagem da Folha de S. Paulo de 2012 expõe os lucros da Casa de Dom Inácio. “Apesar de o atendimento ser gratuito, a casa, fundada em 1976, conta com farmácia de manipulação, livraria, lanchonete e loja de cristais benzidos pelo médium. Até a água fluidificada tem valor agregado. A garrafa custa R$ 1. Energizada, vale R$ 3”, relata o texto.

A Folha diz ainda que João de Deus possui uma fazenda de quase 600 alqueires e chega a faturar 500 mil reais por mês, apenas com frascos de passiflora, calmante natural fabricado pelo grupo.

Independente de todas as controvérsias, a Casa de Dom Inácio recebe quase 10 mil visitantes por semana e João de Deus clama já ter atendido/curado mais de 10 milhões de pessoas.

Claro que feitos como esse não passam despercebidos pelo mundo. O médium já foi estrela de programas do Discovery Channel, da norte-americana ABC (American Broadcasting Company), da inglesa BBC (British Broadcasting Corporation) e de diversas emissoras do mundo todo.

A fama de João de Deus chegou ao ápice com a visita da apresentadora Oprah Winfrey, que foi a Abadiânia em 29 de março de 2012 para entrevistar o médium. Na casa, a bilionária teria meditado, orado e testemunhado várias cirurgias espirituais, na “Sala da Entidade”. Em entrevistas posteriores, declarou que sentiu “algo muito forte”. “Foi muito além do que eu esperava”, confirmou.

Veja os programas:

5
Deixe um comentário

2 Comment threads
3 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors
Angello Fromer

Nunca tinha parado pra pensar na repercussão de Goiás. Na rota internacional de notícias!

Michelle schneider

a história do Peru di zeze ter quebrado é verdade,minha tia q médica e foi quem atendeu ele,é depois passou ele pra urologista,ele tomou 2 viagras pra ficar com uma “mulher” de 14 anos,a veia que irriga o penis estourou,mas na radio e tv saiu que era problema nos rins!

Arthur Castro

Se isso for verdade mesmo, sua tia pode aguardar um processo do Zeze, afinal ela está quebrando a “ética médica”.

nani

Eh verdade sim ele quebrou o pau no Real prive shows uma boate muito famosa em Goiânia

Alberto Assunção

Mas ela não pode responder por uma coisa que ela não fez. No caso foi o sobrinho. aff é cada uma viu