Condenado por 16 homicídios, serial killer enfrenta novo júri nesta terça-feira (18)

O ex-vigilante Tiago Henrique Gomes da Rocha será julgado pelo homicídio de Paulo Sérgio Xavier de Bastos, morador de rua assassinado na Praça Cívica em 2012

O serial killer Tiago Henrique Gomes da Rocha passará por mais um julgamento na manhã desta terça-feira (18/10). O ex-vigilante será julgado pelo assassinato de Paulo Sérgio Xavier de Bastos, crime que ocorreu no dia 5 de novembro de 2012, na Praça Cívica. Tiago Henrique já foi condenado a 403 anos de 10 meses de prisão, por 16 homicídios, 1 roubo a agência lotérica e a porte ilegal de arma.

Paulo Sérgio era morador de rua e estava em um ponto de ônibus da praça, próximo à Avenida Araguaia, Setor Central. Tiago Henrique confessou o homicídio na Delegacia, após ser preso em outubro de 2014.

O juiz Jesseir Coelho de Alcântara, que vai presidir a sessão, observou que as provas demonstraram a materialidade do crime e os indícios de autoria. O magistrado destacou que mesmo o serial killer tendo ficado em silêncio em juízo e dito não se lembrar se cometeu o crime na presença da advogada, o laudo de confronto microbalístico confirmou que o projétil encontrado no corpo de Paulo Sérgio saiu da mesma arma que matou dois moradores de rua que Tiago Henrique confessou ter assassinado.

A delegada Flávia Santos Andrade contou, na audiência de instrução criminal, que o ex-vigilante confessou a autoria de alguns homicídios para “aumentar o ranking de mortes”. De acordo com ela, ele confessou vários crimes e depois voltou atrás. A investigação da morte de Paulo Sérgio levou em consideração, entretanto, o exame de confronto balístico, a forma de atuação do suspeito e o fato de que o vigilante se reconheceu em  imagens de vídeo de alguns dos crimes realizados com a mesma arma.

O delegado Matheus Costa Melo, que assumiu a presidência do inquérito que investigou o assassinato do morador de rua desse que apenas complementou a investigação. Segundo ele, imagens e laudos foram analisados para comprovar a autoria do crime. Para chegar à conclusão de que Tiago Henrique executou o morador de rua, o delegado levou em consideração o laudo balístico e a forma com que ele agia, bem como as características da motocicleta que usava.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.